Elite 3ª temporada

No dia 13 de março, estreou a 3ª temporada de Elite, uma série espanhola original da Netflix. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

3ª temporada ELITE trailer, ELITE 3ª temporada Netflix

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 3ª temporada de Elite foi boa?

Ao final da 2ª temporada, fiquei me perguntando se a decisão do roteiro de manter Polo (Álvaro Rico) solto foi uma boa, pois, estaríamos entrando no terceiro ano consecutivo batendo na mesma tecla, a justiça pela morte de Marina (Maria Pedraza). Contudo, tenho que tirar o chapéu e reconhecer que os roteiristas foram muito eficientes ao tornarem a trama atrativa sem trazer a sensação de desgaste.

Uma das melhores coisas de Elite, é a capacidade que o roteiro tem de te prender, envolver e trazer o senso de urgência que nos leva à maratonar para saber logo quem é o assassino e quais serão as consequências (ou não) do crime. Na 3ª temporada, esse ponto não foi diferente. O terceiro ano da série continua dinâmico, cheio de reviravoltas, momentos chocantes e uma alta carga dramática que permeia toda a narrativa.

Posso afirmar sem medo de exagerar, que Elite é uma série gostosa de maratonar. A forma como o roteiro e a montagem constroem os fatos é muito interessante e atrativa. Ao longo dos oito episódios a trama dá pistas e nos convida à teorizar sobre quem é o assassino, qual foi a sua motivação e qual será o desfecho do crime. A tensão e a virada dos personagens também é outro ponto super interessante. Não existem vilões em Elite. Depois de três temporadas, vemos que a série é composta por vários jogos inconsequentes, cheios de sonhos, planos, frustrações e motivações que mudam conforme os fatos evoluem. O que temos mais próximo de um vilão são alguns pais.

A sinergia entre o elenco também é um ponto que merece ser exaltado. Itzan Escamilla Miguel Bernardeau protagonizam cenas muito interessantes e desde que seus personagens Samuel e Guzmán passaram para o mesmo time, os dois se tornaram peças fundamentais para o desenvolvimento da trama. Outra dupla que merece grande destaque na 3ª temporada de Elite, é Danna Paola e Mina El Hammani. A aproximação e o laço criado por Lucrécia e Nádia foi um dos pontos altos do terceiro ano.

Continuando, Ester Expósito voltou a brilhar e entregou uma Carla mais dramática, sofrida e sombria. Gostei muito do arco da personagem e sofri junto com ela em vários momentos. Arón Piper trouxe humanidade e sensibilidade através da jornada de Ander, enquanto Omar Ayuso mostrou dois lados de um personagem que acompanha a jornada de sofrimento de uma pessoa amada. Achei interessante o arco dos dois, mas confesso que eles me irritaram em alguns momentos, principalmente nos conflitos e desentendimentos.

Os personagens que entraram na 2ª temporada de Elite, Valério (Jorge López), Cayetana (Georgina Amorós) e Rebeca (Claudia Salas) tiveram tramas e momentos bem interessantes no terceiro ano. Enquanto Valério sofreu e esteve mais louco do que nunca, pudemos conhecer um lado mais humano e menos insano do personagem. Já Cayetana, acalmou um pouco os ânimos e também trouxe mais verdade e sensibilidade para sua personagem. E por fim, Rebeca continuou com seu jeito determinado e cheio de atitude, mas também nos mostrou fragilidade e vulnerabilidade.

3ª temporada de Elite contou com a entrada de Leïti Sène Sergio Momo, que viveram Malick e Yeray respectivamente. A dupla em si pouco se destacou, mas seus personagens foram importantes para a transformação de Nádia, Omar, Ander Carla. No final, os dois apoiaram bem e cumpriram seu papel dentro do que foi proposto.

Repetindo a mesma mecânica dos anos anteriores, a 3ª temporada de Elite segue cativando e sabendo envolver o seu espectador. Ao final do terceiro ano, a série aproveita para limpar o elenco, manter alguns personagens e dar um novo fôlego para a 4ª temporada que deve ser anunciada em breve. É seguro afirmar que a série espanhola nasceu para o Brasil com frases preconceituosas como: “É a versão espanhola de Rebelde”, mas acabou provando que é muito mais do que isso.

Novamente envolvente, intrigante e dinâmica, a 3ª temporada de Elite soube manter seus personagens interessantes, trouxe vários encerramentos para a trama e abriu as portas para o quarto ano. Com uma mensagem sobre união, amizade e família, a série soube fazer as críticas que quis e mais uma vez encantou o público. Recomendo que você estoure a pipoca e maratone Elite, vale super a pena!