No dia 27 de fevereiro, chega aos cinemas O Homem Invisível, o novo thriller distribuído pela Universal Pictures. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

O Homem Invisível estreia trailer, Homem Invisível Super Bowl

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Estrelado por Elisabeth MossO Homem Invisível conta a história de uma mulher que vive num relacionamento abusivo e logo no começo tenta fugir de casa e do parceiro violento. Com uma abertura tensa e de tirar o fôlego, o longa trabalha com excelência os momentos de tensão, a paranoia e a construção de sua trama, apresentando uma história envolvente e que só cresce ao longo do filme.

O Homem Invisível é o típico filme para quem é fã de suspense, ação e histórias que prendem a sua atenção e te deixam nervoso. Logo no início já nos conectamos com a protagonista e acompanhamos a sua jornada de superação do medo, trama e violência que sofria do marido. Durante todo o longa o roteiro consegue trabalhar muito bem a paranoia, a descredibilização social e a violência psicológica sofrida pela personagem vivida por Elisabeth Moss. Tudo corrobora para que os personagens ao redor da protagonista duvidem de sua sanidade mental e capacidade de discernir a fantasia da realidade, e esse é um dos grandes trunfos do filme.

Desde que despontou para o mundo com sua atuação densa, profunda e brilhante em The Handmaid’s Tale, o talento e qualidade do trabalho de Elisabeth Moss são facilmente reconhecidos. Em O Homem Invisível, a atriz repete a entrega já conhecida na série dramática e carrega o filme, atuando sozinha em vários momentos e contando com seus olhares, expressões e emoções, para cativar o público e passar a verdade que o roteiro deseja.

Por outro lado, a escalação de Elisabeth Moss pode ser considerada preguiçosa por parte da produção, uma vez que a entrega da atriz está muito dentro de sua zona de conforto e que o papel em si não é tão desafiador, tendo em vista toda a dor e sofrimento que ela já mostrou ao mundo. Contudo, isso é só uma constatação e não um ponto negativo. Elisabeth Moss é brilhante e uma das melhores atrizes da atualidade.

Sem entrar muito nos detalhes para não estragar a experiência e dar spoiler, quero destacar a tecnologia de O Homem Invisível. Gostei muito da forma como apresentaram a questão da invisibilidade e de como tudo isso foi trabalhado em tela. Estamos falando de um thriller, mas com tudo o que foi mostrado, certamente o longa poderia ter caminhado para uma pegada mais fantasiosa e voltada para o universo dos super-heróis.

Falando do elenco de apoio, Aldis HodgeStorm Reid e Michael Dorman são os destaques. Os dois primeiros tiveram uma participação muito importante durante todo o processo de descredibilização da protagonista e chegaram a levantar a dúvida para o espectador: “será que ela é maluca e nada disso tá acontecendo de verdade?”. Já Michael Dorman, acaba de entrar na mente da personagem e entrega cenas bem interessantes.

Intenso, cheio de reviravoltas e com boas atuações, O Homem Invisível é uma excelente opção para quem procura um suspense de qualidade e uma história intrigante e envolvente. Elisabeth Moss, mais uma vez, dá um show em tela e deixa o espectador impressionado e encantado com seu talento. Prepare-se para se surpreender e ver um festival de plot twists em tela.