Titãs 2ª temporada Netflix trailer

No dia 10 de janeiro, estreou a 2ª temporada de Titãs na Netflix, uma série original do serviço de streaming da DC. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 2ª temporada de Titãs foi boa?

Mais madura, mais consistente e regular em sua trama, a 2ª temporada de Titãs dá um baile no primeiro ano da série e atinge a sua maturidade como série e produção. Desconsiderando o primeiro episódio que deveria ter ficado na 1ª temporada, todo o restante da trama do segundo ano é bem amarrada, desenvolvida e acima de tudo, interessante!

Confesso a vocês que mesmo reconhecendo os pontos altos do primeiro ano e gostando do tom sombrio da série, assisti à primeira temporada de Titãs meio arrastado e sem a trama realmente me cativar e envolver. É o famoso assisti por assistir. Contudo, a 2ª temporada de Titãs eleva a qualidade da história e nos prende aos personagens e seus arcos e dramas individuais. Confesso que a partir do terceiro episódio, não consegui mais parar de assistir de tão boa e envolvente que foi a trama do segundo ano.

Uma coisa que sentia falta, e ainda sinto um pouco, é a falta da interação e da dinâmica de grupo entre os heróis. Tudo bem que a primeira temporada era introdutória, precisava estabelecer cada um dos personagens e tudo mais, mas ainda assim, eu me sentia vendo vários capítulos isolados de histórias paralelas e que não se conectavam de fato ou que no máximo flertavam umas com as outras. Já no segundo ano, mesmo os heróis se separando em vários momentos, tudo está conectado e todos estão indo para o mesmo lugar.

Brenton Thwaites amadureceu e se consolidou como protagonista. O ator brilhou muito na 2ª temporada de Titãs e mostrou desenvoltura e familiaridade com os golpes e coreografias. Isso sem contar na seriedade e maturidade que ele apresentou como Dick Grayson. Gostei de sua liderança, dos segredos e passado de seu personagem e principalmente de sua interação com Bruce Wayne (Iain Glen).

Falando em Bruce Wayne, quando escalaram Iain Glen para o papel, confesso não ter gostado. Ainda estranho e tenho dificuldade de ver o eterno Jorah Mormont no papel, mas tenho que reconhecer o mérito do roteiro ao nos entregar um Bruce mais velho, maduro e com uma sabedoria imprescindível para a resolução do arco da 2ª temporada de Titãs. Assim como Brenton Thwaites, o ator mostrou desenvoltura quando foi exigido fisicamente e foi bem nas coreografias de luta. Estou curioso para ver mais desse Bruce Wayne e gostaria muito de vê-lo vestindo o manto do Batman.

Um dos grandes destaques da 2ª temporada de Titãs foi Esai Morales, que deu vida ao vilão Deathstroke/Slade Wilson. Com uma atuação sisuda e fria, o ator conseguiu nos passar a postura ameaçadora e calculista do vilão e ficou perfeito no papel. Com certeza um dos pontos de melhoria da série foi a escalação de Esai e do Deathstroke, que é um clássico antagonista dos Titãs.

Dentro do restante do elenco, quero destacar os novatos Joshua Orpin que viveu brilhantemente o Superboy, e Chelsea T. Zhang que trouxe uma Rose Wilson violenta e cheia de personalidade e Chella Man que trouxe sensibilidade e carisma como Jericó. Gostei muito da entrada dos três atores no elenco da 2ª temporada de Titãs. O restante do elenco repetiu as boas atuações e mostrou mais entrosamento como equipe e familiaridade com seus personagens.

Vindo numa crescente, Titãs é hoje a melhor série da DC Comics na TV. Com um tom sombrio, uma pegada violenta e um universo inteiro a ser explorado, a série se consolida em sua trama e está preparada para seguir para o terceiro ano trabalhando 100% o grupo e não desviando sua narrativa somente nos arcos individuais e para estabelecer os personagens. Gostei muito da evolução e já quero assistir ao próximo ano da série. Vale a maratona, recomendo!