The Witcher 1ª temporada

No dia 20 de dezembro, estreou a 1ª temporada de The Witcher, uma série original da Netflix, que é protagonizada por Henry Cavill. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 1ª temporada de The Witcher é boa?

A expectativa para o lançamento da 1ª temporada de The Witcher era muito alta, afinal, além de ter os livros como base para o roteiro, a franquia é um sucesso absoluto no mundo dos games, e tem fãs espalhados ao redor do mundo. Isso sem contar com o protagonismo de Henry Cavill, que desde o Superman em Liga da Justiça, não emplacou nenhum papel marcante e significativo. Dito isso, vamos falar sobre o primeiro ano da série.

É incontestável a qualidade visual da 1ª temporada de The Witcher. Com belos cenários, figurinos incríveis e uma fotografia belíssima, a série encanta e impressiona em termos de caracterização e grandiosidade. É muito real a sensação de estar em um vasto mundo a ser explorado.

Outro ponto positivo, vai para a direção que conseguiu trazer um pouco dos games para as telas, através dos movimentos do protagonista e das cenas de ação ágeis, dinâmicas e bem coreografadas. Em vários momentos me senti jogando com Geralt, o que é bem interessante para os fãs dos jogos. Também vale destacar a trilha sonora, que abrilhantou a série e de quebra lançou o hit “Toss a Coin To Your Witcher”, interpretado pelo ator Joey Batey.

O grande destaque da 1ª temporada de The Witcher é a atriz Anya Chalotra, que vive a bruxa Yennefer e rouba os holofotes para si. Sua personagem é muito bem construída e nos apegamos a ela ao longo dos episódios. Além de ter um objetivo individual, ela é o interesse amoroso de Geralt, o que torna a trama mais interessante. Gostei da química entre Anya Chalotra Henry Cavill, os dois funcionaram bem em tela e protagonizaram cenas interessantes. Quero vê-los mais tempo juntos na próxima temporada.

A jovem atriz Freya Allan, também foi muito bem, mesmo sua personagem ainda tendo pouco desenvolvimento e deixando várias questões a serem respondidas no próximo ano. Uma das coisas que mais senti falta foi o maior tempo de tela para a interação entre a princesa Ciri e Geralt. A trama dos dois, que é a principal da série, demorou muito para ser conectada e deixou o maior gancho para a nova temporada.

Agora vamos falar sobre os pontos negativos da 1ª temporada de Witcher. “Poxa, como assim pontos negativos? Eu achei a série incrível”, calma lá, meu amigo, nem tudo foi flores para Geralt de Rívia. Uma das coisas que mais me incomodou no primeiro ano da série, foi o fato do protagonista ficar de escanteio em vários momentos. Tudo bem que estamos falando de uma produção com três grandes núcleos: Geralt, Yennefer e Ciri, mas, em vários momentos esqueci que Henry Cavill era o protagonista, por ele aparecer pouco e sair de cena em momentos importantes da série.

Outra coisa que me incomodou, foi o fato da 1ª temporada de The Witcher ter cara de uma grande missão paralela. A trama principal é introduzida, esquecida em alguns capítulos e arrastada até o final para conectar as histórias e te deixar com aquela sensação de: tá bom, mas e agora? Sou um ferrenho defensor de produções curtas (de 8 a 10 episódios), mas no caso de The Witcher, a sensação é de que quebraram a temporada em duas partes para te deixar preso até o próximo ano, teorizando o que vai acontecer com Geralt, Yennefer e Ciri. Não gostei dessa demora para amarrar as histórias e dessa narrativa com cara de missão secundária.

Arrastada em alguns momentos, a 1ª temporada de The Witcher vai bem ao gastar seus episódios para desenvolver bem os personagens e suas personalidades e objetivos. Contudo, a série peca na falta de dinamismo e no fato de usar o artifício de “esquecer” a narrativa principal e o protagonista para te manter preso ali querendo saber o que vai acontecer em seguida.

Para aqueles que estavam com a expectativa de que The Witcher seria a nova Game of Thrones, acalmem-se! A série é bem feita, tem muito potencial, mas por enquanto foi muito introdutória e arrastada. Os personagens podem (e vão) crescer muito ao longo das temporadas, mas por enquanto, The Witcher não passa de uma série para distrair e curtir uma temática medieval e com uma pitada de game.

Vale a maratona? Se você aguentar, sim! Confesso ter ficado com sono em alguns momentos, então recomendo que você deguste a 1ª temporada de The Witcher para não ter essa mesma sensação.