No dia 20 de novembro, chega aos cinemas Medo Profundo – O Segundo Ataque, o novo longa da franquia. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Medo Profundo - O Segundo Ataque

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Confesso a vocês que adoro filmes de tubarões, crocodilos, cobras e outras feras selvagens. Mesmo que milhares de estudos nos mostrem que os humanos não são as presas naturais desses animais, sabemos que cruzar com algum deles em seu habitat natural não seria nada agradável e tampouco seguro. Ok, vamos levar em consideração também que Hollywood exagera no tamanho e as vezes na ferocidade desses bichos, mas de qualquer forma, melhor ficarmos no nosso canto e eles no deles.

O primeiro Medo Profundo surpreendeu ao entregar um filme com baixo orçamento, pouquíssimos atores no elenco e ainda assim conseguir ser super eficiente ao assustar, gerar tensão, medo e trazer uma história interessante e que te prende na cadeira do começo ao fim. Mérito do roteiro, da direção e das atrizes Mandy Moore Claire Holt.

Surpreendentemente a franquia continuou e chegamos a Medo Profundo – O Segundo Ataque. O novo longa reuniu um elenco de atrizes jovens, que têm pais famosos e que buscam começar suas carreiras em Hollywood. Sistine Stallone (filha de Sylvester Stallone), Corinne Foxx (filha de Jamie Foxx) se juntam a Brianne Tju Sophie Nélisse numa aventura assustadora, claustrofóbica e extremamente angustiante.

As jovens resolvem mergulhar nas ruínas de uma antiga cidade Maia e acabam se deparando com tubarões brancos cegos e famintos. A maior parte do longa se passa num labirinto escuro, apertado e sufocante. Conforme a trama vai se desenrolando você vai se contorcendo na cadeira e ficando com falta de ar. Se você tem fobia com água, tubarões ou lugares apertados, cuidado, você passará mal na sessão.

A direção foi muito eficiente ao usar as jogadas de câmera para criar um ambiente assustador e horripilante sem ter que evidenciar os tubarões o tempo todo. Intencionar a presença dos animais da mais medo do que vê-los em cena. Ao longo de todo o filme nos colocamos na pele das meninas e entramos em pânico junto com elas ao tentarmos encontrar uma saída para uma situação fatal.

Medo Profundo – O Segundo Ataque entrega bons sustos, cenas irreais (como já era de se esperar) e atuações convincentes dentro do proposto. A produção surpreende ao entregar uma sequência que ninguém estava esperando e consegue apresentar não só um local diferente para colocar os tubarões, como também explorar as adversidades do mar e entregar mortes diferentes das esperadas. Gostei muito de ser surpreendido em momentos que achei que o óbvio fosse acontecer.

Vale destacar que você precisa relevar várias coisas para acreditar na possibilidade de tudo aquilo estar acontecendo, mas isso já faz parte desse tipo de filme e não deve incomodar os fãs. O final exagera um pouco no número de plot twists (reviravoltas), mas não prejudica muito a obra como um todo. Sai da sessão incomodado por conta da claustrofobia e escuridão, com falta de ar e com o meu medo de tubarões ainda mais reforçado. Porém, todos esses sentimentos fazem parte do pacote que o filme se propõe a entregar.

Se você gosta desse tipo de filme, é fascinado pelos grandes tubarões brancos e está preparado para ficar preso num labirinto escuro e sufocante, certamente você irá se divertir em Medo Profundo – O Segundo Ataque.