curiosidades sobre a Arlequina

A Arlequina fez sua primeira aparição em Batman: The Animated Series

Margot Robbie e o elenco de Aves de Rapina (Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa) estão confirmados na CCXP 2019, que ocorre entre 05 e 08 de dezembro. Mesmo com a decepção trazida por Esquadrão Suicida, a Warner Bros. volta a investir na personagem mais popular e rentável da DC Comics.

Mas e você, conhece todas as curiosidades sobre a Arlequina?

Siga nossas redes sociais:

10. Baseada em uma Pessoa Real

Arlequina já se diferencia dos demais personagens por não ter sido concebida nos quadrinhos. O interesse romântico do Coringa foi criado diretamente para Batman: A Série Animada (1992-1999). Seu criador, Paul Dini, se inspirou em uma participação da atriz Arleen Sorkin no programa Days of Our Lives, onde a comediante interpretava uma palhaça. Mais tarde, a atriz seria conhecida como a mulher que emprestou a voz para Arlequina por mais de 20 anos.

9. Protetora dos Animais

Arlequina ama todos os animais. Todos mesmo! Ela já resgatou todos os cães e gatos abandonados que conseguiu e levou para a sua casa. Mas os animais de estimação mais peculiares são os apontados como coadjuvantes no filme das Aves de Rapina: duas hienas e Bernie, seu castor empalhado.

8. Dra. Harleen Quinzel, Psiquiatra

Mesmo devendo apenas preencher lacunas, a personagem se tornou surpreendentemente popular. Arlequina acabou ganhando a aclamada edição The Batman Adventures: Mad Love (1994), mais tarde transformada em animação, que contava sua origem. Em sua tese de graduação, Harleen Quinzel atestava que as pessoas só demostram desprezo pelas regras da sociedade se estiverem cometendo crimes ou apaixonadas. Já como uma brilhante psiquiatra, a doutora se apaixona por um dos seus pacientes no Arkham Asylum, que a torna tão louca e perigosa quanto ele. A partir daí, ela prova sua tese: se desliga dos padrões aceitáveis da sociedade ao cometer crimes por estar apaixonada. E não se engane, Arlequina pode ter perdido a sanidade, mas continua a ter um alto QI (mesmo que muitas vezes não pareça).

7. Pele Descolorida

Claramente Arlequina é uma personagem trágica, presa em um relacionamento graças ao seu amor doentio. Entrar nos quadrinhos permitiu o aprofundamento do seu drama. Depois de 2016, com a reinvenção do seu visual e muito mais pele a mostra, a ideia de que Arlequina pintava o seu rosto de branco foi apagada por uma nova origem, bem mais brutal. Todo seu corpo foi descolorido ao entrar em contato com os produtos químicos do tonel onde o Coringa a jogou. Ela entra como Harleen, e renasce como Arlequina.

Esta cena está no filme Esquadrão Suicida. Mas, como todo resto, foi mal explorada.

6. A Filha do Coringa

Em edição dos Novos 52, Arlequina admitiu para a Canário Negro que teve uma filha com o Coringa. Ao descobrir que estava grávida, Arlequina se isolou e deu a luz à uma garotinha chamada Lucy Quinn. Agora com 4 anos, a menina vive com a tia, sem que o pai tenha qualquer suspeita da sua existência. Aliás, ao retornar para o vilão, depois de um ano, parecia que Coringa sequer havia se dado conta do sumiço de Arlequina.

5. Fim do Romance com o Coringa

Ter sido criada nos anos 90 deu à Arlequina uma brutalidade até então censurada.  As cenas de violência gráfica serviram não somente para mostrar o grau de abuso sofrido nas mãos do Pudinzinho, mas também daquilo que a própria personagem era capaz. Apesar de muitos amarem a Arlequina e o Coringa juntos, eles não são mais um casal nos quadrinhos e já faz tempo. Para sua emancipação do Palhaço do Crime, em Injustice, a DC escolheu uma cena onde a personagem pudesse se vingar parcialmente dos abusos que sofreu. Enquanto é culpada por aquilo que lhe foi infligido e quase cede ao “amor” novamente, Arlequina consegue se impor e derrotar Coringa, deixando-o preso.

4. Arlequina e Hera Venenosa

Ainda que sempre ligada ao Coringa, a sexualidade de Arlequina sempre foi fluida. Em sua nova fase, para balancear a sexualização exacerbada da sua figura, a DC resolveu que como novo interesse romântico da personagem estaria uma vilã também extremamente sexualizada: Hera Venenosa.

Mas o relacionamento das duas é “complicado”. Hera salvou Arlequina diversas vezes, quando essa foi deixada a beira da morte após os abusos do Coringa. Então, cada vez que retornava para o vilão, Arlequina traía a confiança de Hera. Entre parcerias e traições, a amizade se tornou algo mais, até chegar a essa relação romântica não monogâmica. A verdade é que acabou funcionando entre os fãs, tendo se tornado canon o casamento entre as vilãs em Injustice 2 – obviamente em Vegas.

3. Superpoderes

Enquanto Arlequina parece apenas mais uma psicopata assassina, a verdade é que, como muitos habitantes de Gotham, ela tem sim superpoderes. Durante as muitas vezes em que foi assistida pela Hera Venenosa, Arlequina recebeu um soro que lhe deu super força, agilidade e imunidade à toxinas e ácidos – as armas favoritas do Coringa. Claro que isso não a torna uma heroína, sua instabilidade mental e maldade ainda se sobressaem ao altruísmo.

2. Joker/Harley: Criminal Sanity

Como o que dá lucro é explorado até o fim, atualmente, oito publicações da DC Comics nos EUA trazem o Coringa e a Arlequina. Dentre as mais controversas está Joker/Harley: Criminal Sanity. Sob a black label da marca, a história traz uma nova narrativa para a origem da vilã. Com um visual ao estilo da série Hannibal, Harleen Quinzel é uma psiquiatra forense que, a pedido do departamento de polícia de Gotham, faz o perfil de assassinos dos casos mais cruéis. Ao se deparar com as brutalidades do notório Coringa, Harleen será levada pela ascendente escalada de assassinatos e insanidade.

A história ainda não foi integralmente publicada. Entretanto, ainda que se mantenha entre as mais vendidas da DC, as primeiras impressões aparentam desagrado tanto dos antigos quanto dos novos fãs de Arlequina.

1. Dona da sua própria Animação

No dia 29 de novembro, estreia nos EUA Harley Quinn, animação adulta focada na personagem. Dublada por Kaley Cuoco, Arlequina mostrará todo o esforço que é necessário para ter suas maldades reconhecidas, já que o Coringa fica sempre com o crédito. Violência regada com muito humor ácido e nem um pouco politicamente correto, características que marcam a personagem desde sua primeira aparição na TV.