“Me afetou demais”, diz Rebecca Ferguson sobre sua personagem em Doutor Sono

Amanhã (06) chega aos cinemas Doutor Sono, um longa estrelado por Ewan McGregor e Rebecca Ferguson, que continua a história de O Iluminado. Confira abaixo as declarações da atriz sobre o diretor Mike Flanagan e sua personagem, Rose the hat.

Siga nossas redes sociais:

O que Mike Flanagan acrescenta a um projeto como esse? Como é trabalhar com ele?

REBECCA FERGUSON: Para mim, Mike, primeiramente, entende o mundo desse gênero e o que esse filme precisava. E não é apenas a simplicidade de criar um filme assustador, já que está seguindo os passos de algo que as pessoas obviamente irão comparar. É também sua própria entidade. Ele consegue, de maneira sutil e graciosa, criar uma homenagem e conexão ao Kubrick. Ele criou uma continuação do livro de Stephen King com belos laços entre um filme que é uma criação única, incomparável.

Existem algumas sequências bem perturbadoras em que a sua personagem está presente. Como atriz, como você lida com esses dias específicos de filmagem?

REBECCA FERGUSON: Na realidade, um dos momentos mais memoráveis enquanto filmava esse projeto define bem. Alguém me perguntou “Se você tivesse que fazer as coisas que essa personagem faz com outras pessoas, você faria? Isso te afeta como atriz?”. E eu respondi “Não, porque sou paga para atuar e esse é meu trabalho”.

Me lembro que estávamos filmando uma cena difícil e eu tinha que esperar pela minha deixa. Era um momento específico, um grito, mas não importa, eu tinha que entrar e fazer a minha parte. Eu estava lá em pé, assistindo ao que estava acontecendo, e comecei a hiperventilar, porque eu estava sendo muito afetada pelo que via. Não tinha nem começado minha cena e lágrimas já escorriam pelo meu rosto, eu pensava “Vou f**er a cena”. Estarei chorando e Rose the Hat não pode ter lágrimas no rosto. Eu literalmente me afastei e me bati para voltar à personagem. E quando a cena acaba, ninguém diz nada. O supervisor de script começa a chorar e eu saio andando, tremendo.

E volto para a pessoa que me fez aquela pergunta e digo “Quer me perguntar de novo? Porque eu estava completamente errada”. Me afetou demais. Eu ainda não assisti. Enquanto via o corte bruto – muitas sequências acabei ficando sem ver – quando aquela cena começou, desviei o olhar. Mas este é o ponto. Rose é…tão sem limites em sua crueldade quando se trata de tomar conta do grupo. É a necessidade de conseguir o necessário para sobreviver. É como aprender a fina arte de dissecar um baiacu, sabe? Se você cortar errado, ele se torna no peixe mais venenoso do mundo. Então, é um trabalho e ela é extremamente boa nele.

Leia também:

Assista também: