3ª temporada 13 Reasons Why

Já está disponível no catálogo da Netflix a 3ª temporada de 13 Reasons Why, série baseada no livro Thirteen Reasons Why (2007), de Jay Asher, e adaptado por Brian Yorkey. Cuidado, essa crítica CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 3ª temporada de 13 Reasons Why é boa?

Como o trailer da terceira temporada revelou, Bryce Walker (Justin Prentice), um dos maiores “vilões” da série, foi assassinado! A nova trama gira em torno de quem foi o responsável pelo crime e praticamente todos os alunos são suspeitos.

A nova temporada mostra os alunos de Liberty High seis meses depois do ocorrido no fim da última temporada, com Clay (Dylan Minette) impedindo Tyler (Devin Druid) de cometer um ato terrorista atirando nos alunos que estavam no baile da escola.

13 Reasons Why iniciou sua trajetória buscando mostrar fatos bastante “pesados” da adolescência como bullying, estupro, entre outros, e teve seu relativo sucesso nas duas primeiras temporadas. A história de Hannah Baker (Katherine Langford) na primeira temporada foi extremamente bem explorada e marcante.

No entanto, a série resolveu mudar tudo que tinha trabalhado nas temporadas anteriores e enaltecer o principal vilão da história. Ai percebemos que os roteiristas perderam a mão, ao ir para o lado errado da série. Temos também uma nova narradora. A personagem Ani (Grace Saif), nova aluna do colégio, tenta trazer um distanciamento de Hannah e suas fitas, e nos traz perguntas interessantes ao longo de seu relato para a polícia. Sinceramente, não achei a personagem tão essencial para a história, pois como uma pessoa poderia se envolver tanto com os outros personagens tendo tão pouca convivência?

Um dos poucos acertos foi destacar a trajetória de Tyler (Devin Druid) de forma mais marcante para o espectador, com o personagem passando pelo processo de compreensão de seu trauma e da sua superação, resultando no seu triunfal retorno à vida normal. Destaque para o ator que começou com uma atuação tímida nas temporadas anteriores, mas que conquistou seu espaço na terceira, sendo um dos melhores em toda a temporada.

Para envolver o público no mistério em torno de sua morte, 13 Reasons Why tentou humanizar o monstro que é Bryce Walker, transformando-o em um personagem digno de pena. O problema é que isso não funcionou nem um pouco. Como que uma série que trabalha tão bem um personagem odiado por todos acaba simplesmente virando a “chave” dele? Sinceramente, eu não entendi. Sem contar o tom de mistério que tivemos, parecendo mais uma série policial do que a série dramática que já tinha sido ambientada com as histórias anteriores.

O único acerto nesse novo cenário foi a mãe de Bryce. Nora Walker (Brenda Strong) também ganhou grande destaque nesta temporada. Ela está encurralada entre o amor que tem pelo seu filho e o ódio que foi gerado pelas atitudes dele, inclusive fazendo mal à diversas garotas.

Nora traz uma personagem sofrida, que só busca a verdade do que realmente aconteceu com seu filho. E além disso, aguentar a doença do avô de Bryce e o abandono do marido, que saiu de casa para morar com uma mulher mais nova.

E para fechar os diversos erros, descobrimos que quem matou Bryce foi Alex Standall (Miles Heizer) e, mesmo acidentalmente, ele foi salvo pelos outros e inclusive pelo seu pai, o policial da cidade. Para uma história que buscava mostrar os erros das atitudes de alguns jovens, mostrar uma atitude errada dessas era a melhor maneira de finalizar a temporada? O roteiro mostrou-se equivocado do começo ao fim e a série deu uma grande decaída.

Alguns personagens importantes tiveram seu foco diminuído para que a história mostrasse mais sobre o assassinato e os possíveis suspeitos. Justin Foley (Brandon Flynn) e Jessica Davis (Alisha Boe) são os que mereciam mais atenção, principalmente o garoto que vive com o vício nas drogas e a culpa de deixar sua namorada ser estuprada.

Além deles, temos Tony Padilla (Christian Navarro), outro personagem importante no início mas que acabou perdendo espaço. Sua história é muito boa e não foi explorada. Afinal, ele tem que conviver com a perda da família deportada, as dívidas com os advogados, as armas que ajudou a esconder de Tyler e o fato de ser gay. Só mais um dos erros cometidos nesta temporada.

Será que a quarta e última temporada vai salvar a série ou teremos mais histórias policiais e vilões virando heróis? Vamos aguardar!