estreia Anna – O Perigo Tem Nome pôster

No dia 29 de agosto chega aos cinemas Anna – O Perigo tem Nome, o novo filme do diretor Luc Besson. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Anna – O Perigo Tem Nome

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Depois de uma pequena participação em Valerian e a Cidade dos Mil Planetas (2017), a modelo e atriz Sasha Luss volta a trabalhar com o diretor Luc Besson, ganhando a oportunidade de protagonizar um filme de ação e cheio de reviravoltas. Anna – O Perigo tem Nome chega aos cinemas para agradar os fãs de filmes de espionagem no estilo Atômica (2017), longa protagonizado por Charlize Theron.

Com uma trama cheia de idas e vindas no passado e presente, Anna – O Perigo tem Nome foge da regra da espiã russa fria e letal e humaniza a protagonista, fazendo nos simpatizarmos pelo drama ocorrido em sua vida e torcermos para que ela se liberte dessa jornada sangrenta e maçante de crimes. Sasha Luss surpreende ao entregar uma personagem que tem as características clássicas de uma espiã, mas que não perdeu a humanidade e a vontade de viver uma vida normal e fora de todo esse eixo Rússia e Estados Unidos. A atriz foi muito bem ao entregar uma atuação segura e que conseguiu mesclar a fragilidade, sensualidade e o lado letal de sua personagem. Ela conseguiu carregar e prender a nossa atenção ao longo de todo o filme.

Apostando numa protagonista inexperiente, a produção se cercou de nomes de peso como Helen Mirren Luke Evans, que engrossaram o caldo do filme e protagonizaram momentos bem interessantes. O grande destaque vai para a personagem vivida por Helen Mirren, que esteve constantemente no centro da história e brilhou ao entregar carisma, astúcia e reviravoltas interessantes. Luke Evans foi bem ao mesclar o lado humano com o espião, trazendo paixão para a trama. Também vale mencionar Cillian Murphy que teve uma participação menor do que os nomes anteriores, mas que também foi importante para o desenrolar da história.

Anna – O Perigo tem Nome cansa um pouco ao transitar exaustivamente na linha temporal do filme. A fim de contextualizar e desenvolver seus personagens, o longa usa e abusa do recurso e faz com que a história tenha vários plot twists, o que não necessariamente é uma coisa positiva. Talvez se a trama fosse um pouco mais linear ou o roteiro não quisesse ser tão grandioso em termos de viradas, a cadência do longa seria melhor e consequentemente a experiência também.

Enquanto a Marvel Studios levou anos para dar um filme solo para a Viúva Negra, Anna – O Perigo tem Nome é mais um longa que sai na frente e brilha ao trazer uma espiã russa para o centro de uma trama interessante, cheia de ação e com todos os elementos que esse tipo de história pede. Ponto para Luc Besson que é um especialista em contar história de super-heróis que não vêm de grandes editoras de quadrinhos.

Sexy, dramático, cheio de reviravoltas e de tirar o fôlego em alguns momentos, Anna – O Perigo tem Nome é um filme que vai te entreter, divertir e fazer passar um tempo gostoso nos cinemas. A protagonista funciona muito bem, o elenco secundário brilha e se destaca ao longo da trama e, por fim, Luc Besson mostra que ainda sabe dirigir um bom thriller de ação. Tá pensando em assistir no cinema? Compre a pipoca e boa sessão!