No dia 20 de junho, chega aos cinemas Toy Story 4, o novo filme da Disney•Pixar. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Assim que anunciaram Toy Story 4 me perguntei: precisamos desse filme? O encerramento do terceiro longa foi perfeito e trouxe um desfecho emocionante e muito bonito para a história de Andy, Woody, Buzz e os demais brinquedos. Contudo, ao me deparar com o quarto longa, percebi como ainda haviam questões e arcos a serem explorados e desenvolvidos dentro da franquia.

Pois bem, chegamos a Toy Story 4, um filme que evoluiu no que diz respeito aos gráficos e animações, e manteve o apelo emocional e a qualidade de sua narrativa. A nova aventura traz de volta todos os elementos que consagraram a franquia ao longo dos anos, e novamente entrega uma história com uma mensagem central que gira em torno da amizade, do amor e da jornada de cada um. O argumento e apelo emocional são válidos e consistentes. Saímos de mais um filme da franquia refletindo sobre a nossa vida, os momentos de transição pelas quais passamos ao longo da nossa trajetória e por fim, com aquele gostoso e emocionante sentimento de nostalgia e saudosismo da infância.

Woody sempre foi o grande protagonista da franquia Toy Story, porém, o roteiro do quarto filme focou quase que cem por cento sua narrativa para desenvolver e concluir de vez o arco do carismático personagem. Ao invés de explorar a transição de mais uma criança, o novo longa volta seu olhar para a mudança na vida de seu principal brinquedo. É muito interessante essa mudança de enfoque e visão. Qual o propósito de um brinquedo? Ele está diretamente ligado à vida de uma criança em si ou vai muito além disso? É linda a forma como o roteiro traz vida e uma jornada pessoal para o xerife. Saímos da sessão refletindo sobre isso.

Uma das coisas mais cativantes de Toy Story, sempre foi a capacidade que o longa tem de conversar com todas as idades. As crianças absorvem a mensagem de valorizar, cuidar e amar os seus brinquedos, isso sem contar em como elas são estimuladas a sonhar e fantasiar com essa magia que dá vida aos seus melhores amigos e companheiros. Já os adultos, são altamente impactados com uma saudade dos tempos em que criavam histórias e universos inteiros nas tardes depois da escola. Realmente, essa é uma das franquias animadas mais lindas do cinema. Mesmo fantasiosa, a trama reflete muito a vida como ela é, e se torna um dos produtos mais ricos e importantes para serem consumidos por todas as idades.

Mesmo um pouco apagado, Buzz conseguiu protagonizar momentos interessantes e nos entregou uma nova faceta não vista até então. Os brinquedos clássicos não brilharam como nos filmes anteriores e tiveram uma participação pontual. A narrativa de Toy Story 4 foi muito focada na jornada de Woody. O longa também trouxe Betty de volta para explicar o que houve com ela e nos contar como sua história se fechou. Os novos brinquedos que entraram, agregaram em humor, ação e mais momentos reflexivos na trama.

De modo geral, Toy Story 4 surpreende ao chegar aos cinemas como um filme desnecessário, mas que agrega em desenvolvimento e num novo desfecho para a franquia. O longa é quase um último abraço para os fãs matarem a saudade e saberem um pouco mais do que aconteceu com Woody, Buzz e o restante dos brinquedos. Vale ressaltar que o final foi satisfatório, emocionante e que não se faz necessário um quinto filme. Acredito que seja melhor parar por ai para não correr o risco de estragar uma franquia tão linda.

Não deixem de conferir Toy Story 4 nos cinemas. Preparem-se para mais uma vez se emocionar e matar a saudade dos brinquedos que serão para sempre os nossos melhores amigos.