No dia 30 de maio, chega aos cinemas Rocketman, a cinebiografia do cantor Elton John. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Rocketman é uma épica fantasia musical sobre a incrível história de Elton John. O filme acompanha sua fantástica jornada de transformação de um garoto prodígio tímido no piano para a superestrela. Essa história inspiradora – embalada pelas maiores canções interpretadas por Taron Egerton – conta uma história universal de como um garoto do interior se transformou em uma das figuras mais icônicas da cultura pop.

Contar a história de um astro da música com mais de cinquenta anos de carreira, não é uma tarefa nada fácil. Rocketman chega aos cinemas depois de Bohemian Rhapsody ter rendido o Oscar de Melhor Ator a Rami Malek, o que já deixa o público e os críticos atentos à entrega de Taron Egerton, que até agora só brilhou por seu rostinho bonito e pinta de galã.

Com os holofotes e olhares apontados para si, Rocketman entrega uma cinebiografia que abraça o repertório do protagonista e diverte e encanta o público com um musical de duas horas com vários trechos da vida de Elton John. Repleto de fantasia e cheio de cortes, o filme tenta ao máximo incluir os principais pontos da vida do cantor, desde o começo até o auge, passando pelo declínio por conta das drogas e mostrando o recomeço sóbrio.

A vida de Elton foi regada de exageros. Sempre performático e espalhafatoso nos palcos, ele escondia em sua intimidade uma infância sofrida pela ausência de amor dos pais e afogava suas frustrações em álcool, drogas e sexo desenfreado. Como todo astro da música, vemos a ascensão e o fundo do poço do cantor. Retomando o comparativo, vale ressaltar que a construção da jornada de Rocketman, foi muito melhor do que a de Bohemian Rhapsody, que a meu ver, faturou o Oscar injustamente.

O longa peca ao tentar incluir o maior número de acontecimentos e momentos da vida de Elton. A partir do momento em que o cantor decai por conta das drogas, o roteiro joga em tela momentos que enfatizam ainda mais o drama, mas que ficam parecendo recortes de revista. Entendo que a intenção era ressaltar o sofrimento para depois mostrar a volta por cima, mas o excesso de informações prejudica a experiência de ver o cantor lutando contra os seus vícios. Tudo se torna muito fantasioso e jogado, o que não nos permite curtir com calma os momentos.

Rocketman é o filme da carreira de Taron Egerton. O ator agarrou com unhas e dentes o papel e mostrou ao mundo o seu talento. Ele canta, dança, chora, ri e entrega muita verdade e sensibilidade em sua atuação. Saí impressionado! Agora resta ao estúdio fazer a campanha do filme e levar o ator ao Oscar. Caso isso aconteça, Taron teve uma performance mais completa do que Rami e merece a estatueta.

O elenco de apoio conta com a presença de Bryce Dallas Howard, Richard Madden e Jamie Bell. Os três atores têm entregas pontuais, importantes para a trajetória e desenvolvimento do protagonista, mas não chegam a brilhar e se destacar. É o famoso: eles foram bem e nada mais.

Se você é fã de Elton John, gosta de musicais e cinebiografias, não perca a estreia de Rocketman. Prepare-se para embarcar numa jornada cheia de fantasia, exageros e muita musicalidade. O longa não irá te decepcionar!