trailer legendado de Hellboy

No dia 16 de maio, chega aos cinemas o novo Hellboy, um filme trazido ao Brasil pela Imagem Filmes. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Uma antiga feiticeira volta à vida decidida a vingar-se de uma traição do passado. Dividido entre o mundo sobrenatural e humano, o lendário meio-demônio Hellboy recebe a missão de conter essa ameaça e salvar o mundo.

Confesso que fiquei curioso quando anunciaram o novo Hellboy. A franquia já estava consolidada com Ron Perlman à frente do papel e como tudo em Hollywood, decidiram rebootar o elenco e contar uma nova história, agora estrelada por David Harbour, que vem fazendo sucesso em Stranger Things.

Hellboy é um herói que tem o seu nicho e público oriundo dos quadrinhos e dos filmes antigos já estabelecido. O personagem tem várias aventuras interessantes que poderiam ser adaptadas, desde que o roteiro bebesse da fonte original e fosse bem construído a partir disso. O problema desse novo longa está exatamente ai. A premissa é interessante, e quando nos deparamos com a lenda aturiana da bruxa ficamos empolgados com o que pode pintar em tela. Contudo, na hora que a trama começa a se desenrolar, vemos um show de horror cheio de cortes, cenas de ação e efeitos especiais com qualidade de TV.

Falta ritmo, desenvolvimento, tempo de tela para que os personagens contem suas histórias e principalmente, falta uma direção que saiba de todos esses pontos e consiga envolver o público na trama. Quando Hellboy começa, você não se sente atraído pela história, simplesmente vai acompanhando o desenrolar sem se importar com os personagens e resoluções. A bruxa que tinha um grande potencial, é deixada de lado e quando retorna é mal aproveitada. O herói só sabe reclamar, bater e ir de um lado para o outro tentando resolver um problema que talvez ele nem se importe. Tudo é muito genérico e sem sal.

David Harbour gritou, socou e resmungou, mas não cativou. O ator assume o papel e não entrega sentimento, verdade e nem uma atuação de destaque. No fim das contas ele é só mais um brucutu vermelho e sem graça. O ator tem sua parcela de culpa, mas a direção e o roteiro também não ajudaram.

Milla Jovovich vive uma vilã sem carisma, que tem potencial, mas pouco tempo de tela para entregar sua história e propósito. A atriz entregou a velha atuação genérica dos últimos Resident Evil e basicamente fez esse trabalho só pra pagar as contas. Vale ressaltar que os efeitos especiais empregados em sua personagem são de baixa qualidade.

O restante do elenco, Sasha LaneDaniel Dae Kim, até tenta, mas acabam embalando na canastrice do filme e entregam atuações e personagens no mesmo nível dos já citados acima. Ian McShane é o destaque do filme e o ator que mais conseguiu trazer profundidade para as telas.

De modo geral, o novo Hellboy é um filme genérico, com um roteiro fraco e uma direção que não soube trabalhar os atores e personagens ao longo da trama. Vale destacar que o filme tem cenas pós-créditos, portanto, fique na sala até o final!