Na sexta-feira, dia 11, estreou na Netflix a 1ª temporada de Titãs, a nova série da DC. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

1ª temporada de Titãs

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 1ª temporada de Titãs foi boa?

Quando digo que as produções da DC Comics são muito mais efetivas na TV do que no cinema, não estou mentindo. Mulher-Maravilha e Aquaman são longas que deram esperança para os fãs da editora, mas ainda assim, se comparados com as várias séries de TV, estão numa fase muito embrionária em relação à tentativa de estabelecer um universo compartilhado.

Greg Berlanti é o rei da TV americana da atualidade. Tudo o que o produtor põe a mão dá certo e rende várias temporadas e muita audiência para os canais. Não vou ser fan boy e dizer que ele não tenha produzido séries fracas, ele produziu sim, mas se avaliarmos seu trabalho como um todo, Berlanti é sinônimo de sucesso.

Um dos pontos mais positivos na 1ª temporada de Titãs é o tom da série. Diferente das demais produções da DC Comics, Titãs é sombria, violenta e explora um lado dark não visto até então. É muito bacana ver como Berlanti consegue surpreender e não usar a mesma fórmula, trazendo a ambientação certa para cada uma de suas produções.

Brenton Thwaites vai muito bem no papel de Dick Grayson, e entrega um personagem extremamente habilidoso, com uma carga emocional e dramática super interessante por conta de seu passado, e com um instinto de detetive digno de uma cria do Batman. Inclusive, foi muito bom ver o Garoto Prodígio protagonizando uma aventura e não estando somente à sombra do Morcegão.

Anna Diop também é um dos destaques da série. A personagem trouxe para as telas uma Estelar madura, sexy e extremamente badass, se distanciando da versão fofinha e engraçada que vemos no desenho. Poderosa e imponente, a atriz brilhou e roubou a cena em alguns momentos.

Teagan Croft apresentou uma versão fofa e menos sombria da Ravena. Gostei dessa quebra no estilo ranzinza e fechado da personagem. O roteiro humanizou a heroína, sem deixar de lado sua origem sombria e repleta de trevas. Inclusive, quero destacar a pitada de terror que a 1ª temporada de Titãs trouxe para as telas, nos momentos em que Teagan usa seus poderes e deixa seus demônios interiores saírem. Foi bem legal!

Ryan Potter pouco fez na 1ª temporada de Titãs. O Mutano ficou muito em segundo plano e serviu apenas como alívio cômico em alguns momentos. A série também começou a trabalhar sua relação com Ravena, e ele foi um dos pilares da humanidade da personagem, mas fora isso, pouco vimos de seus poderes e transformações.

A 1ª temporada de Titãs teve um fator positivo e negativo ao mesmo tempo. Enquanto desenvolvia sua trama, a produção aproveitou alguns episódios para introduzir personagens que ganharão sua série própria, como a equipe Doom Patrol. Dawn e Hank também podem vir a protagonizar um spin-off, e foram bem testados ao logo dos episódios. Isso foi positivo pelo fato de termos novos heróis em tela, mas também foi negativo, pois a trama deixou os Titãs de lado em alguns momentos para contar essas histórias paralelas.

De modo geral, a 1ª temporada de Titãs foi boa. A produção encerrou seu primeiro ano com um episódio que mais parece fazer parte do meio da história, deixando o público com um gostinho de quero mais. Greg Berlanti mais uma vez acerta ao produzir uma série digna das histórias e dos fãs da DC Comics. Vale a pena maratonar e aguardar ansioso pela próxima temporada que já está confirmada!