John Cho

No dia 20 de setembro, chega aos cinemas Buscando, o novo filme da Sony Pictures. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Depois que a filha de 16 anos de David Kim (John Cho) desaparece, uma investigação local é aberta e uma detetive é designada ao caso. Mas 37 horas depois e sem pistas, David decide buscar no único lugar em que ninguém olhou ainda, onde todos os segredos são mantidos: o laptop de sua filha. Em um suspense hiper-moderno contado a partir dos aparelhos que usamos no nosso cotidiano para nos comunicarmos, David vai traçar as pistas digitais deixadas por sua filha antes que ela desapareça para sempre.

Buscando é o típico filme despretensioso que te deixa enlouquecido quando termina. A premissa é simples, mas a forma como o roteiro desenrola sua trama é envolvente, intrigante e te deixa preso na cadeira tentando desvendar esse mistério. Onde está Margot? Ela fugiu? Ela morreu? O que aconteceu com ela? Essas são algumas das várias perguntas que você faz para si mesmo no decorrer do longa.

Utilizando a vídeo-chamada como seu principal recurso para desenvolver a história, o longa nos aproxima dos personagens através da câmera do celular e notebook. Também achei muito interessante a utilização das mensagens de texto como forma de contar o que estava acontecendo. Buscando não inova em sua premissa, mas brilha ao desenvolver uma temática batida de uma forma diferente e envolvente.

O uso do FaceTime nos aproxima de John Cho, fazendo com que o seu sofrimento e desespero sejam sentidos de perto. Com a câmera sempre próxima ao seu rosto, o protagonista nos comove com o desaparecimento da filha. Tenho certeza que muitos pais irão se compadecer das atitudes e sentimentos do personagem e até chegarão a se colocar no lugar dele, a entrega do ator foi fenomenal. Também quero destacar o processo de transformação do protagonista ao longo do filme, que começa como um pai tranquilo e pacato e se transforma num homem desesperado e disposto a qualquer coisa para recuperar a sua família.

A atmosfera de suspense e tensão se estabelece em Buscando logo nos primeiros minutos. Quanto mais a trama se desenvolve, mais desconfiamos de tudo e de todos. O filme foge da previsibilidade e quando achamos que estamos no caminho certo para solucionar o caso, o roteiro joga um plot twist em tela que nos deixa surtando com a revelação. Vale ressaltar que o roteiro espalha várias pistas no decorrer da história, portanto, preste bastante atenção pois as respostas para esse mistério estão todas em tela.

Debra Messing também tem uma excelente participação no filme. A atriz consegue entregar uma personagem comprometida, emocional e disposta a ir até o fim por aquilo que acredita. Sua interação com John Cho também trouxe um contraponto interessante entre a sanidade e o desespero, é muito legal vê-los juntos em tela.

Sony Pictures acerta ao pegar uma premissa simples e contar de uma forma marcante, envolvente e surpreendente. Se você gosta de filmes investigativos, cheios de tensão e mistério, Buscando não irá te decepcionar.