1ª temporada de The Resident

Hoje trago a vocês a crítica SEM SPOILERS da 1ª temporada de The Resident, a nova série médica do canal FOX.

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 1ª temporada de The Resident é boa?

The Resident é uma série obrigatória para os fãs de tramas médicas que gostam do dinamismo do PS, as complicações dos centros cirúrgicos e os casos de vida ou morte que prendem a nossa atenção e nos fazem sofrer. Se você está acostumado e gosta desse tipo de história, certamente irá se deliciar.

Um dos principais pontos positivos de The Resident é o fato de a série explorar o lado administrativo da saúde. É bonito vermos os médicos salvando vidas e mostrando astúcia e genialidade ao desvendar os diagnósticos mais difíceis e improváveis, mas, é ainda mais apaixonante e chocante, ver os bastidores de uma das profissões mais bonitas do mundo. Tudo tem um custo e, infelizmente, a vida não foge dessa regra.

1ª temporada de The Resident apresenta um elenco repleto de estrelas e consegue equilibrar muito bem a participação e desenvolvimento de cada um na trama. Esse é um ponto super positivo da série, pois o roteiro consegue dar dinamismo e espaço para que todos se desenvolvam, ao menos um pouco, a sua jornada individual, sem tirar muito o foco do protagonista.

Matt Czuchry (Dr. Conrad Hawkins) é uma versão mais jovem e humana de House. O brilhante, porém impetuoso e impulsivo residente, brilha ao mostrar sua genialidade e jogo de cintura para burlar as regras e ao mesmo tempo empatia e humanidade para salvar a vida de seus pacientes. Matt é carismático, envolvente e um excelente protagonista. Gostei muito de sua atuação e participação na 1ª temporada de The Resident.

Emily VanCamp (Enfermeira Nic Neven) rouba a cena em vários momentos durante a 1ª temporada de The Resident. A antiga estrela de Revenge traz para às telas a bondosa e justa enfermeira Nic. Lutando por um sistema de saúde correto e que preserve o paciente, ela não mede esforços para conseguir trazer a verdade e a justiça à tona. Todo o arco da personagem serviu como base para o ponto alto do primeiro ano da série. Emily foi tão maravilhosa que conseguiu desenvolver toda trama investigativa durante os casos do hospital. Vale ressaltar que ela tem uma excelente química com Matt Czuchry. A dupla funciona muito bem e faz a diferença na série.

Retomando a questão administrativa e econômica da medicina, muitas vezes a 1ª temporada de The Resident consegue se desvencilhar das doenças e pacientes para tratar da empresa e do negócio. É muito interessante esse olhar da saúde em termos financeiros e avaliando o peso e custo que isso tem, tanto para a instituição, quanto para o paciente. Além de usar a sua narrativa como crítica aos hospitais e médicos, a série aborda, mesmo que de forma superficial, os planos de saúde e a burocracia que envolvem sua utilização. De modo geral, a produção bate nas principais teclas que tornam o sistema de saúde falho e comprometido.

Outra questão importante abordada na 1ª temporada de The Resident, é a pressão que os residentes sofrem. Quando olhamos para os médicos pensamos: “ele entrou na faculdade, agora é só alegria, o pior (o vestibular) já passou”, e é ai que muitos se enganam. A pressão sofrida desde o início do curso até a fase da residência é enorme. Os médicos aprendem na prática e lidam com vidas e decisões a todo o momento, e a série mostra os efeitos dessa pressão e como isso pode afetar o psicológico dos doutores.

Bruce Greenwood (Dr. Randolph Bell) traz para as telas questões interessantes. O ator vive um renomado cirurgião que tem o ego inflado e é arrogante para admitir que o seu tempo na mesa de cirurgia acabou. Mesmo se tratando de ficção, existem muitos médicos com carreiras brilhantes por ai que já deveriam ter dado o lugar para a nova geração. Outro ponto interessante que o personagem agrega para a trama é a discussão, quem deveria gerenciar um hospital, um médico ou um administrador? Tendo em vista que a série aborda o tempo todo questões administrativas e burocráticas, esse ponto é relevante e apimenta as intrigas e reviravoltas da primeira temporada.

Melina Kanakaredes (Dra. Lane Hunter) vive a doutora Lane, uma oncologista que incorpora todos os pontos criticados e levantados na 1ª temporada de The Resident. A  personagem brilha como a grande antagonista do primeiro ano e te deixará com raiva em vários momentos. Não me estenderei para não estragar a sua experiência.

Fechando o time, Manish Dayal (Dr. Devon Pravesh) e Shaunette Renée Wilson (Dra. Mina Okafor) vivem personagens muito interessantes. Enquanto ele traz a paixão pela medicina, o desejo incessante de salvar vidas e uma ética exemplar, ela traz frieza, precisão e arrogância de uma médica brilhante. As duas personalidades agregam demais na 1ª temporada de The Resident e brilham em determinado momento.

De modo geral, vale muito a pena assistir The Resident. Mesmo tratando de assuntos sérios e impactantes, a série consegue ser leve, envolvente e gostosa de maratonar. Recomendo que você assista e volte para me contar a sua experiência.