Meu Ex É Um Espião

No dia 23 de agosto, chega aos cinemas Meu Ex É Um Espião, a nova comédia distribuída pela Paris Filmes. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Audrey (Mila Kunis) e Morgan (Kate McKinnon), duas melhores amigas de trinta anos que vivem em Los Angeles são empurradas inesperadamente para uma conspiração internacional quando o ex-namorado de Audrey aparece em seu apartamento com uma equipe de assassinos. Surpreendendo a si próprias, a dupla entra em ação e percorre toda a Europa fugindo de assassinos e um agente britânico suspeito, mas charmoso, enquanto traçam um plano para salvar o mundo.

Comédia é um dos gêneros mais difíceis do cinema. Fazer alguém rir, não é uma tarefa fácil e uma coisa é certa, você nunca vai agradar todo mundo. Partindo dessa premissa, confesso a você que tenho extrema dificuldade em digerir comédias pastelonas e exageradas. A meu ver, tudo fica forçado e isso faz a piada perder a graça pra mim. Gosto de ser surpreendido com o humor e não forçado a rir na hora que o roteiro quer, entende?

Meu Ex É Um Espião pra mim peca exatamente nesse ponto. O roteiro mistura ação com humor e fica em aberto se ele está se levando a sério ou escrachando de vez. Os acontecimentos são pesados, mas a leveza das falas e as caras e bocas exageradas da dupla protagonista, suaviza todo o momento de tensão e acaba jogando a ação para debaixo do humor e das risadas.

Kate McKinnon já tem um ar engraçado e carismático, mas a atriz peca no exagero e na canastrice. Conhece aquela frase: menos é mais? Se Kate aplicasse isso em sua carreira, seus papéis teriam um resultado melhor. Ela é boa comediante, mas passa do ponto e acaba caindo na forçação de barra. Me diverti mais com as piadas que fizeram referência à alguma coisa do que com o pastelão que toma conta da maior parte da história.

Mila Kunis é a famosa bonita, mas sem graça. Em Meu Ex É Um Espião, a atriz protagoniza alguns bons momentos, mas no geral tem uma atuação apática, sem sal e sem graça. Não foi marcante e também não impactou. Contudo, ressalto que sua química com Kate McKinnon é boa e uma acaba suprindo os pontos fracos da outra.

O elenco masculino também pouco faz pela trama. Sam Heughan está em tela só para protagonizar as cenas de ação que exigem luta corporal e ser o bonitão da história. Já Justin Theroux começa o filme com uma história interessante e termina com uma virada horrível.

Com quase duas horas de duração, o longa se perde no meio do caminho e chega a cansar. Se tivesse vinte minutos a menos a história fluiria melhor e não enrolaria tanto com cenas bestas. Quando você acha que o filme vai acabar, ele estica além do que devia e dai você pensa: caraca, essa bomba ainda não terminou.

Bem pipocão e recomendado para a sessão da tarde, Meu Ex É Um Espião é um filme para ser visto sem pretensão nenhuma. Curta essa farofa, dê umas risadas e aproveite a pipoca.