O Protetor 2

No dia 16 de agosto, chega aos cinemas O Protetor 2, o novo filme da Sony Pictures estrelado por Denzel Washington. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Sequência dos feitos de Robert McCall (Denzel Washington), um agente aposentado que ajuda pessoas em perigo. Até onde ele irá por alguém que ele ama?

Quero começar destacando uma das melhores coisas de O Protetor 2, que são as cenas de ação. No auge dos seus 63 anos, Denzel Washington não é mais um menino, mas ainda assim não precisa ficar esbanjando vigor físico e brutalidade como seus colegas dos filmes de ação. O mais legal desse filme é ver a inteligência do personagem ao combater os seus oponentes. Ele não precisa de muitos movimentos e nem daquela luta corporal exaustiva, a briga aqui acontece com estratégia e astúcia. E meu amigo, se prepare para momentos de tirar o fôlego.

Denzel Washington esbanja carisma e em O Protetor 2 nos deparamos com um super-herói que é motorista do Uber e o melhor morador que qualquer condomínio possa ter. Durante todo o filme nos encantamos com a humanidade do protagonista, as lições que ele passa e a forma como ele procura sempre fazer a coisa certa, independentemente do risco que isso represente.

Com pouco mais de duas horas de filme, O Protetor 2 tem um começo muito bom, mas se perde um pouco na metade. No início, a trama principal fica em segundo plano e vemos Denzel fazer “missões paralelas” à problemática central que vai se desenvolvendo aos poucos. Contudo, quando a narrativa traz o personagem de vez para o “caso do filme”, o longa se torna cansativo e deixa de ser tão divertido quanto os casos isolados que ele tratou no começo.

O problema de O Protetor 2 foi o mal desenvolvimento dos antagonistas. O roteiro vai jogando as informações em tela e quando junta tudo traz um plot twist sem emoção nenhuma. Desde a revelação até a conclusão, é bem sem graça. As missões paralelas e as histórias de Uber estavam muito mais interessantes do que os vilões.

Pedro Pascal cai no mesmo ponto da falta de desenvolvimento. O personagem demora para engrenar e passa grande parte do filme sem dizer a que veio. A atuação está ok, sem destaque, mas sem comprometer.

No geral, O Protetor 2 é um filme de ação bem divertido, mas que tem alguns problemas de ritmo e desenvolvimento.