Aves de Rapina

Quem são as Aves de Rapina?

Com as filmagens marcadas para o inicio de 2019, a DC finalmente avança na produção do filme das Aves de Rapina. Com a volta certa de Margot Robbie como Arlequina, chegou a hora de conhecer mais sobre o grupo de heroínas.

Siga nossas redes sociais:

Em 1996, nascia uma parceria entre Canário Negro e Barbara Gordon, na época sob o codinome de Oráculo. Inicialmente atuando em Gotham, o grupo intitulado de Aves de Rapina reúne diversos membros rotativos para missões de combate ao crime. Sendo assim, quem serão as super-heroínas que integrarão o time nos cinemas?

Canário Negro (Dinah Lance)

Muito conhecida dos fãs de Arrow, a Canário Negro tem uma origem diferente nos quadrinhos. Dinah Drake estreiou em 1947 na edição Flash Comics #86 como uma vigilante que lutava contra o crime ao lado de seu interesse amoroso, o detetive Larry Lance. Nos anos 80 teve sua história revisada e agora Dinah Laurel Lance, filha da Canário original, assumia o manto da heroína. Além de dominar as artes marciais, Dinah possui seu próprio “Grito do Canário”, poder super sônico vindo de um metagene ausente em seus pais.

Florista de dia e vigilante durante a noite, a Canário Negro chegou a integrar brevemente a Liga da Justiça, onde começou seu relacionamento com o Arqueiro Verde. Anos depois, conhece a antiga Batgirl Barbara Gordon, já paraplégica pelo ataque do Coringa, e iniciam a parceria que dá origem as Aves de Rapina.

Caçadora (Helena Bertinelli)

Outra personagem que apareceu na série Arrow, mesmo que menos explorada, foi a Caçadora. O alter ego de Helena Bertinelli apareceu pela primeira vez nos quadrinhos em 1989 como a filha de uma das famílias mais proeminentes da máfia de Gotham. Sequestrada e estuprada quando criança por rivais de seu pai, Helena é enviada para um colégio interno onde é treinada em todas as artes de combate por seu guarda-costas Sal.

Anos depois, presencia o assassinato de seus pais e começa sua cruzada para acabar com todos os mafiosos, assumindo o codinome Caçadora. Imprevisível e violenta demais para o Homem-Morcego. Temperamental e irresponsável para Barbara Gordon. A Caçadora não sabe trabalhar por muito tempo em equipes, mas é nas Aves de Rapina que (depois de muitas brigas) encontra seu lugar como a segunda em comando após a saída da Canário.

Cassandra Cain

Filha dos assassinos David Cain e Lady Shiva, Cassandra foi privada de contato humano e da fala como parte de seu treinamento para se tornar a maior assassina do mundo e a perfeita guarda-costas para Ra’s al Ghul. Muda e sem habilidades sociais, salva a vida do Comissário Gordon e se prova digna da confiança de Batman, que lhe entrega o manto da Batgirl com a benção de Barbara Gordon. Em 2000, foi a primeira Batgirl a ter uma série recorrente própria.

Nenhuma notícia do filme das Aves de Rapina aponta a presença de Barbara, assim, se torna improvável que Cassandra assuma a identidade de Batgirl. Por enquanto, a personagem é apenas descrita como uma vigilante.

Renee Montoya

Uma das personagens que mais tem se desenvolvido ao longo dos anos, Renee Montoya foi apresentada em 1992 como uma detetive do Departamento de Polícia de Gotham. Recorrente na série animada do Batman e atualmente representada na série Gotham, Montoya passou de uma simples policial latina para a profunda personagem que é hoje nos quadrinhos.

Antigo interesse romântico de Kate Kane, a Batwoman, Montoya abandona a força policial por não suportar toda a corrupção. Depois de ser treinada pelo super-herói Questão, adota a identidade de seu mestre e passa a lutar contra o crime.

Arlequina

Durante anos, a DC Comics era sustentada por três pilares: Batman, Superman e Mulher Maravilha. Hoje em dia é possível dizer que Arlequina é o quarto. A ex-psiquiatra que sofre pelo amor (e abusos) do Coringa, apesar de fazer os fãs mais antigos de quadrinhos torcerem o nariz, é inegavelmente popular.

Dito isso, fica fácil entender a escolha da Warner Bros de juntar a lucrativa personagem as Aves de Rapina, mesmo que isso não aconteça nos quadrinhos. Pegando um dos poucos acertos de Esquadrão Suicida e unindo a um grupo heterogêneo de mulheres, o filme tem os elementos necessários para se tornar um sucesso. Basta que os problemas de roteiro, comuns nessa nova era da DC nos cinemas, sejam finalmente sanados.

Leia também:

Assista também: