trilha sonora de Todo Dia

No dia 26 de julho chega aos cinemas brasileiros Todo Dia, adaptação do romance homônimo de David Levithan. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Com um conceito inusitado, Todo Dia nos apresenta a história de A, uma pessoa – ou alma, ou espírito, ou algo totalmente diferente – que acorda em um novo corpo a cada dia. Ele – ou será ela? – toma o controle por 24 horas de um adolescente, sempre na mesma faixa etária e redondezas do corpo que deixou na noite anterior, tentando causar o menor dano possível na vida do habitado.

Tudo muda quando A possui o corpo de Justin (Justice Smith), o típico “babaca” do colégio, e conhece sua namorada Rhiannon (Angourie Rice). Dando um dia mágico para a garota, A sente algo que nunca havia experimentado e faz com que Rhiannon se apaixone pela nova versão de Justin. No dia seguinte, Rhiannon lida com o desapontamento de ter o namorado de volta ao normal, enquanto A acorda em um novo corpo e decide ir atrás dela.

O conceito funciona por um tempo e gera bons momentos. Como quando A assume o corpo do católico Nathan (Lucas Jade Zumann), que afirma ter sido possuído por Satanás no dia seguinte. Ou quando ajuda Kelsea (Nicole Law) à obter ajuda pisicológica, ficando mais em seu corpo. Tudo ao mesmo tempo em que tenta manter um relacionamento com Rhiannon, não falhando em passar a mensagem de que a aparência não é o que verdadeiramente importa.

Sendo assim, é possível perceber que o filme depende de Rhiannon para capturar o espectador, e funciona. O carisma de Rice nos faz desejar que a protagonista encontre a felicidade ao fim dessa estranha história de amor, mas também dificulta a aceitação do clímax. Mesmo que você aceite a excentricidade da trama, a premissa mal explicada e a resolução rápida acabam deixando uma impressão de desleixo.

Talvez tudo faça mais sentido no livro, talvez David Levithan consiga explicar melhor a ideia inicial em seu YA bestseller. Infelizmente, para as telas, Todo Dia levanta questões que não são satisfatoriamente respondidas. Um filme divertido sim, mas que acaba nos fazendo questionar se faltou algum pedaço.