Homem-Formiga e a Vespa

No dia 05 de julho, chega aos cinemas o novo filme da MarvelHomem-Formiga e a Vespa. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

pôster de Homem-Formiga 2

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Toda a expectativa dos fãs da Marvel para esse ano estava voltada para Vingadores: Guerra Infinita, o que fez longas como Pantera Negra Homem-Formiga e a Vespa ficarem em segundo plano. Contudo, o Rei de Wakanda surpreendeu e entregou um dos melhores filmes solos do estúdio. Agora, será que o herói que brinca com o seu tamanho repetiria o feito da realeza africana? Vamos conversar!

Homem-Formiga é um filme muito leve, cômico e cheio de cenas de ação. Mesmo tendo uma carga dramática em sua trama, acredito que esse seja o longa mais água com açúcar do estúdio. Tudo foi feito para agradar, divertir, entreter e arrancar risadas. E, se partirmos dessa premissa, a sequência não muda uma vírgula sequer dessa fórmula.

Quando anunciaram o título Homem-Formiga e a Vespa levantou-se o rumor de que o longa seria uma comédia romântica, fiquei curioso com o que estava por vir. Ao que tudo indicava, Evangeline Lily teria mais espaço e poderia até roubar a cena. Contudo, o resultado final foi muito equilibrado, dando espaço para os dois heróis brilharem e desenvolverem suas histórias individuais. No quesito romance, o roteiro repete a relação tímida e discreta do primeiro filme. Porém, vale ressaltar que Paul Evangeline tem uma boa química, que poderia ser mais bem explorada no futuro.

Quero destacar a qualidade dos efeitos especiais de Homem-Formiga e a Vespa. As cenas deles pequenos, de Paul Rud gigante, os efeitos utilizados na Fantasma e todos os detalhes do mundo quântico são muito bem feitos. As cenas de ação de Homem-Formiga e a Vespa também são muito bem coreografadas e executadas, desde os momentos individuais até os em conjunto. Visualmente o filme é muito bonito e vale o 3D.

Em termos de ameaça, Homem-Formiga e a Vespa mantém o nível de entrega dos filmes anteriores, apresentando uma vilã com propósito, mas que não traz perigo real para às telas. Isso já era de se esperar, ainda mais se tratando do filme mais leve do estúdio. Contudo, Hannah John-Kamen vai bem no papel da Fantasma e dá abertura para que a personagem continue sendo explorada no futuro.

Uma decepção de Homem-Formiga e a Vespa é Laurence Fishburne que não disse pra que veio. O ator veterano tinha potencial, mas foi muito mal utilizado no filme. Ele fica jogado no meio da trama e entrega um plot twist que não engrena. Uma pena, pois, Fishburne poderia protagonizar cenas interessantes ao lado de Michael Douglas.

Falando no ator, Michael Douglas novamente nos encanta na pele do brilhante Hank Pym. Ao lado de Evangeline Lily Paul Rudd, ele agrega com humor e carga dramática. Sua interação com Michelle Pfeiffer também é boa, e a dupla nos encanta quando está em cena.

Falando sobre Michelle Pfeiffer, a escalação da atriz para o papel da Vespa original foi acertada. No pouco tempo que teve em tela, ela conseguiu trazer a maior parte da carga dramática do filme e ainda apresentar elementos interessantes que serão explorados no futuro da franquia. Como disse, ela apareceu pouco, mas já foi o suficiente para nos deixar intrigados com o que vem por ai.

Preciso registrar que o humor exagerado e até desnecessário trazido por Michael PeñaT.I. David Dastmalchian me incomoda. A meu ver o trio atrapalha a evolução do filme com piadas e gracinhas. Porém, se você gostou disso no primeiro longa, o segundo segue a mesma linha, então provavelmente continuará te agradando. Só finalizando, acho que é muita graça sem necessidade. Pessoalmente, gostaria que o roteiro focasse no trio protagonista e na evolução e desenvolvimento desse arco ao invés de perder tempo fazendo gracinhas para tentar arrancar risadas do público. Se você parar pra pensar, Paul Rudd por si só já é o alívio cômico, por que ter mais três personagens com essa função? Fica aqui a reflexão.

No geral, se você gostou do primeiro filme, certamente irá adorar Homem-Formiga e a Vespa. O longa não inova e nem surpreende, mas é eficiente em sua entrega. Vale destacar que a produção tem duas cenas pós-créditos, portanto fique até o final!