2ª temporada de Riverdale

Na semana passada a Warner Channel exibiu o último episódio da 2ª temporada de Riverdale. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 2ª temporada de Riverdale foi boa?

Depois de um bom primeiro ano, a 2ª temporada de Riverdale chegou com mais episódios, 22 no total, o que ao meu ver prejudicou a trama. Trabalhar com arcos de 13 ou até 15 capítulos é uma alternativa melhor para não arrastar e nem declinar o nível da história. Se parar para pensar, você lembra o começo do segundo ano? Foram poucos os momentos marcantes.

Ainda falando sobre a oscilação, a 2ª temporada de Riverdale fez uma montanha-russa com Jughead (Cole Sprouse) e Archie (KJ Apa). Enquanto o primeiro era queridinho da galera e um dos destaques do primeiro ano, o segundo era um protagonista irritante e chato pra caramba. Porém, a nova temporada virou de ponta-cabeça os dois. Jug teve uma mudança drástica no início e chegou a se tornar um porre. Enquanto Archie foi melhorando com o passar dos episódios e deixou de ser o escoteiro chato da 1ª temporada.

Uma coisa que não mudou é, as mulheres são as donas de Riverdale. Independente do número de episódios, a 2ª temporada manteve o nível de suas protagonistas femininas que novamente brilharam e deram um show em tela. Quando se tem Betty (Lili Reinhart) e Veronica (Camila Mendes) em cena, os homens são completamente apagados e deixados de lado. As suas beldades esbanjam carisma, química e talento em tela.

Cheryl (Madelaine Petsch) é outra personagem feminina que merece destaque. A ruiva deixou de ser aquela menina mimada e chata da primeira temporada e ganhou um arco consistente. A 2ª temporada de Riverdale humanizou a líder das Vixens e explorou sua sexualidade e coração. Além da parte sensível, a bela protagonizou cenas de ação muito boas.

Falando um pouco dos pais, Alice Cooper (Mädchen Amick) e FP Jones (Skeet Ulrich) são os grandes destaques da 2ª temporada. Os dois personagens sofreram uma virada muito boa e cresceram na trama. Mais maduros, participativos e envolventes, eles protagonizaram momentos interessantes e deixaram ganchos e brechas para o terceiro ano.

Preciso enaltecer a entrada de Mark Consuelos na 2ª temporada de Riverdale. O ator deu vida a Hiram Lodge, o grande vilão que orquestrou quase todos os acontecimentos do segundo ano. Mark conseguiu entrar um mafioso cheio de estilo e com pinta de galã. Sua participação no segundo ano rendeu grandes momentos e reviravoltas interessantes. Além de Hiram ter dado uma renovada no arco de Archie, que deixou de ser um moleque chato para se tornar um “capo” dos Lodge.

De modo geral, Riverdale teve um bom segundo ano, pecando apenas na barrigada causada pelo número excessivo de episódios. Os personagens chatos melhoraram, os bons oscilaram e por fim, Betty e Veronica se consolidaram como a alma da série.