4ª temporada de Gotham

Hoje vamos falar sobre a 4ª temporada de Gotham como um todo. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 4ª temporada de Gotham foi boa?

Assim como outras séries que trabalham no modelo de 22 ou 23 episódios, a 4ª temporada de Gotham sofreu com a oscilação de sua trama e de seus personagens, o que fez a série ter algumas barrigadas ao longo dos capítulos. Esse é um problema muito comum com as produções que resolvem esticar suas tramas além do que deveriam. Convenhamos, tem necessidade de tantos capítulos? Façam algo mais enxuto e consistente ao invés de ficar enrolando e criando histórias fracas.

Tudo bem, dito isso, vamos falar sobre os personagens em si. Gotham passou por uma virada no decorrer dos anos. A série iniciou sua história tendo Bruce Wayne (David Mazouz) como pano de fundo. Acredito que a ideia inicial fosse trabalhar o protagonismo de Gordon (Ben McKenzie) enquanto o pequeno Batman crescia e aparecia. Contudo, Mazouz evoluiu muito bem e foi ganhando cada vez mais espaço. A partir do momento que o menino iniciou sua preparação física e foi amadurecendo o lado psicológico, passamos a enxergar a ascensão do Cavaleiro das Trevas. Hoje o ator é parte fundamental e até rouba o protagonismo de McKenzie. O quarto ano o consolidou de vez em tela e entregou um desfecho que fez o coração dos fãs bater mais forte.

Ainda falando sobre Bruce, preciso destacar o papel fundamental de Alfred (Sean Pertwee) na formação de caráter e evolução do personagem. A dinâmica e parceria entre eles é muito boa. Os conflitos que eles tiveram na 4ª temporada de Gotham apimentaram a trama, mostraram uma nova versão do jovem herói e serviram como trampolim para o final arrebatador do quarto ano.

Camren Bicondova também foi muito bem na pele da jovem Selina Kyle. A atriz traz para as telas a dualidade do comportamento da personagem. Selina não é uma vilã, mas também não é uma heroína. Em termos de ação, Camren evoluiu na 4ª temporada. Ela protagonizou bons momentos e já aderiu ao clássico chicote da Mulher-Gato. Destaco a excelente química que ela tem com David Mazouz. Os jovens atores funcionam muito bem em cenas de ação e como casal.

Um dos maiores pecados de Gotham é subutilizar vilões em sua trama. A série mostra certa ansiedade ao querer colocar todos os antagonistas e referências do Homem Morcego, sem explorar direito o que é introduzido em tela. Prova disso é a constante mudança de escalação da Hera Venenosa. A 4ª temporada tentou trazer uma versão adulta e mais perigosa de Ivy, mas acabou novamente subutilizando a personagem e queimando uma atriz que não brilhou e nem teve tempo para desenvolver o seu papel em tela.

Tanto Sofia Falcone (Crystal Reed) quanto Ra’s Al Ghul (Alexander Siddig) foram muito bem na 4ª temporada de Gotham. Cada um conseguiu desenvolver o seu arco individual e mostrar ao que veio. Voltando, é isso que eu critico, precisava queimar vilões? Trabalha direito dois ou três, balanceando a ameaça de cada um, dividindo e distribuindo o protagonismo entre eles e entrega uma trama sólida.

Morena Baccarin Cory Michael Smith tiveram uma participação interessante no quarto ano. Brincar com o psicológico e os sentimentos do Charada foi muito legal. Ver Cory se dividir entre o ser lógico e o emocional, humanizou Ed e nos fez enxerga o lado vilanesco da Doutora Lee.

Robin Lord Taylor é um dos melhores personagens de Gotham. Desde a primeira temporada ele vem brilhando e roubando a cena, mas, o quarto ano não foi tão favorável para o Pinguim. Ele teve um bom começo, mas foi se apagando conforme outros personagens como, Barbara Keane (Erin Richards), se erguiam. Falando um pouco da loira, de todos apresentados até agora, ela foi a que teve o maior arco de evolução na série. Começou com uma mulher indefesa e terminou a 4ª temporada como uma das líderes do submundo.

Deixei o melhor para o final, vamos falar de Cameron Monaghan. Talentoso, carismático e versátil, Cameron conseguiu adaptar duas versões do Palhaço do Crime, não deixando sua atuação nem um pouco a desejar se comparada com seus antecessores do cinema. O ator roubou todos os holofotes ao nos entregar Jerome e Jeremiah com maestria. A maior parte dos aplausos da 4ª temporada de Gotham vai para ele.

Mesmo com barrigadas e alguns personagens abaixo do esperado, a 4ª temporada de Gotham foi muito boa. O destaque dentre os episódios vai para o season finale, que aproximou de vez a série do Batman. O Homem Morcego vem ai na sua versão ano um e eu mal posso esperar para ver!