Westworld 2x04

“Se você está olhando para frente, está olhando para a direção errada”

Ontem (13) foi ao ar o episódio Westworld 2×04, focado em William e Bernard, finalmente começamos a ter algumas respostas sobre o passado. CUIDADO, SPOILERS ABAIXO!

Siga nossas redes sociais:

Westworld 2×04 – The Riddle of the Sphinx

Dificilmente o melhor episódio da temporada, Westworld 2×04 se destaca pelo simples fato de responder questões levantadas nos episódios anteriores e trazer à luz fatos passados importantes para a narrativa.

“Ninguém merece viver para sempre”

Começamos o episódio com James Delos vivendo em um pequeno flat onde acredita estar recebendo os melhores cuidados e se recuperando, até receber a visita do jovem William. Com pequenos espasmos, Jim pede para ir embora e William nega, lhe passando uma folha de papel.

A cena irá se repetir mais tarde no episódio, com um William mais frio. Aprenderemos que a folha entregue a Jim mostra que a conversa que tiveram já ocorreu, ele apenas está se repetindo, comprovando que sua aparente melhora é uma mentira. E essa é a maior revelação de Westworld 2×04, o “grande projeto” consiste em enganar a morte ao introduzir a consciência de uma pessoa morta em um robô.

Em uma terceira versão da cena, Jim não reconhece o velho que William se tornou. Este então afirma que Jim passa por um “platô cognitivo”, sua mente não aceita a si mesma e se deteriora, daí os espasmos. Mostrando o homem amargo que agora é, William não só afirma que essa já é a 149ª tentativa de trazer Jim de volta a vida, mas conta que Juliet se matou e Logan morreu de overdose mesmo sabendo a dor que infligirá ao robô.

William já não acredita no projeto e se tornou o frio Homem de Preto. O episódio serve então para questionar a mortalidade, já que o personagem se nega a tentar novamente dar vida eterna ao homem vil que Jim é, ainda mais quando tantas boas pessoas têm morrido.

“Esse é o presente?”

Na linha do tempo pós massacre de Westworld 2×04, Bernard reencontra Elsie, que é a primeira a descobrir sua verdadeira natureza. Ao encontrarem um laboratório secreto para consertar a falha cognitiva de Bernard, os dois se deparam com técnicos massacrados e uma sala trancada. Para a última, temos a sala de observação onde o robô de James Delos ainda está preso, insano pela sua degradação nervosa e pelo conhecimento de sua realidade.

Bernard luta para descobrir se está no presente ou em suas memórias, nos fazendo questionar se os números de linhas temporais são realmente os que sabemos. Em uma de suas lembranças, se choca ao perceber que os mortos na sala foram ordens suas, ao comando de Robert.

Por fim, Elsie elimina Jim para livrá-lo de seu sofrimento enquanto Bernard se lembra de ter imprimido outra unidade de controle de um ser humano, mas quem será o próximo clonado por Robert?

Já William, finalmente consegue a ajuda de outros homens como queria. Diferente da esperada chantagem ou suborno, o Homem de Preto ganha a gratidão de Lawrence e dos outros ao matar os confederados remanescentes.

William afirma ter feito tudo para se manter no jogo desenvolvido por Robert, mas é difícil acreditar. O personagem mostra o quanto é assombrado pelo passado ao relembrar da banheira ensanguentada onde (provavelmente) sua esposa cometeu suicídio. E, como se para comprovar que os atos de William têm fundo sentimental, recebemos a certeza de que a mulher misteriosa (que também está em uma busca) é realmente a herdeira Delos, Emily.

Leia também:

Assista também: