1ª temporada de Knightfall

Chegou ao fim a 1ª temporada de Knightfall, a nova série do canal HISTORY que é produzida pelo ator Jeremy Renner. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 1ª temporada de Knightfall foi boa?

Depois de ver a oportunidade e potencial de audiência trazida por Vikings, o canal HISTORY resolveu continuar investindo suas fichas em produções medievais que misturam ficção e fatos históricos. E cá entre nós amigos, que decisão acertada.

O canal pegou toda a sua base histórica para entregar uma produção rica em detalhes culturais. A 1ª temporada de Knightfall entregou uma série que segue os passos de Vikings no que diz respeito à trama cultural, e trouxe a realidade de seu enredo para o dia-a-dia dos Cavaleiros Templários. É muito cativante nos depararmos com uma legião de guerreiros devotos a Deus, ao Graal e com valores completamente diferentes de seus vizinhos “bárbaros”.

Knightfall escala um elenco pouco conhecido, mas que foi muito eficiente em sua entrega final. Capitaneada por Tom Cullen, que dá vida a Laundry, a série consegue desenvolver muito bem seus personagens, nos mostrando as motivações, maneira de pensar e agir. Todos conseguiram ter espaço para mostrar ao que vieram.

O roteiro da 1ª temporada de Knightfall também merece elogios. Além de trazer para as telas inimigos de todos os lados, a história explorou o misticismo e lendas por detrás da história do Santo Graal, proporcionando reviravoltas interessantes e ganchos a serem explorados no próximo ano.

Em termos de inimigos e vilões, a série não deixa a desejar. Todos em algum momento mostram seu lado negro e são colocados à prova diante de seus atos e desejos pessoais. Esse recurso é interessante, pois humaniza os personagens e mostra que independente do certo ou errado, todos mostram seu pior lado quando são egoístas e colocam seus interesses acima do que é certo.

Tom Cullen conseguiu nos mostrar a garra e a fibra de um templário. Mesmo cheio de falhas e pecados, o cavaleiro sempre lutou pelo bem, mesmo que suas atitudes desobedeçam as regras. Como ator, Cullen fez uma boa entrega e conseguiu passar a verdade do personagem.

Ed Stoppard foi muito bem no papel do Rei Philip. Ele foi o personagem que teve a virada mais interessante da 1ª temporada de Knightfall. Num primeiro momento somos apresentados a um homem aparentemente ingênuo e manipulável, mas no decorrer dos episódios ele nos mostra suas garras e rouba a cena do season finale. Confesso estar ansioso para continuar acompanhando a sua jornada na próxima temporada.

Olivia Ross foi bem ao mostrar a força da mulher. Sua personagem quebra todas as regras e nada contra a maré, numa época onde as mulheres não tinham voz e tampouco poder. A Rainha Joana de Navarra mostra garra ao lutar por aquilo que acredita e enfrentar as consequências de seguir o seu coração ao invés da razão. Amar traz consequências e a 1ª temporada de Knightfall explora isso muito bem.

Fechando os destaques, preciso enaltecer a participação de Jim Carter como o maquiavélico Papa Bonifácio VIII, Julian Ovenden como o ardiloso William De Nogaret, Simon Merrells como o bravo Tancrede e por fim, Pádraic Delaney como o traiçoeiro Gawain. Todos os atores tiveram momentos marcantes e emocionantes na 1ª temporada de Knightfall e merecem os nossos aplausos.

Concluindo, a 1ª temporada de Knightfall foi uma mistura de aula de história em meio a uma trama cheia de intrigas, mistérios, traições, vinganças e fé. A série dá um excelente pontapé inicial e encerra seu primeiro ano de forma satisfatória. Vamos continuar acompanhando a jornada dos Templários até a sua decadência. Ansioso pela 2ª temporada!