Amanhã (26) a sua vida está prestes a mudar, pois chega aos cinemas Vingadores: Guerra Infinita. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Há 10 anos a Marvel iniciou um projeto que mudaria completamente a história da indústria cinematográfica. A Casa das Ideias foi corajosa em arriscar em produtos que antes não eram populares e nem do conhecimento do grande público. Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Vingadores, as pessoas até sabiam vagamente quem eram esses personagens, mas no final, todos só ligavam para Homem-Aranha e os X-Men.

É incrível ver como as coisas mudaram de 10 anos pra cá. Os heróis classe B e C, se tornaram campeões de vendas e populares entre todos. Hoje em dia as crianças variam na opinião de qual o seu super-herói favorito, e isso foi graças ao Marvel Universe. O estúdio conseguiu construir e amarrar tão bem o seu universo cinematográfico que mesmo com deslizes e algumas produções fracas, é conciso, bem amarrado e desenvolvido.

A chegada do Thanos e todo o clímax atingido na Guerra Infinita foi algo pensado lá atrás. O filme que está entrando em cartaz é o resultado de um projeto ambicioso e muito bem desenvolvido. E, para nós, que somos público e comunicador nerd, isso é algo para ser enaltecido e aplaudido de pé. Que projeto bem estruturado, construído e amarrado. Dá gosto de ver!

Vingadores: Guerra Infinita é um filme que foge de tudo aquilo que você conhece da Marvel. Pela primeira vez nesses 10 anos, você entra no cinema sem saber o que esperar. Sem ter noção nenhuma do que vai acontecer. Sem sair dizendo: isso já era esperado ou foi previsível. Não dessa vez amigo, não dessa vez. Tudo aquilo que você pensa que sabe, na verdade, não passa de uma teoria. Deixe todas as suas teses de lado e viva essa experiência única e marcante. Tenho certeza que ao final da sessão você não será mais o mesmo.

Thanos é uma figura icônica da Marvel e que há tempos é aguardado. Antes do titã louco chegar, muita coisa aconteceu. O terreno foi todo preparado para que ele viesse aqui e destruísse os nossos corações. Novamente quebrando tabus, o grande protagonista de Vingadores: Guerra Infinita supera todos os seus antecessores e se torna o grande ícone que esperávamos que ele fosse. Contudo, diferente do que eu imaginava, a Casa das Ideias surpreendeu ao dar um coração, um propósito e um lado humano ao vilão. Thanos não é só um cara insano que tem uma ambição megalomaníaca. Ele tem uma razão por detrás da sua loucura e é isso que gera empatia e o faz cair nas graças do público. Vale enaltecer e parabenizar o trabalho de Josh Brolin que conduziu muito bem o personagem. A parte visual também foi muito bem construída graficamente.

Chris Hemsworth surpreendeu em Vingadores: Guerra Infinita. Desde o início, o Thor só deixou a desejar se compararmos com os quadrinhos. O personagem protagonizou os filmes mais fracos do universo cinematográfico e ficou marcado pelo humor e os trejeitos caricatos. O lado carismático e fanfarrão se manteve nesse filme, porém, o herói assumiu uma postura nunca vista antes. Imponente, audacioso e bravo, Thor Odinson mostrou toda a sua bravura asgardiana e firmou-se como o novo rei. Suas cenas são impressionantes, chega dar orgulho de ver a mudança do personagem.

Chris Evans rouba a cena todas as vezes que aparece em tela. O personagem tem uma postura única. O primeiro vingador é o verdadeiro herói desse universo. Logo na primeira cena em que ele aparece você já se emociona e passa o restante do longa torcendo para ele não morrer. O Capitão América atingiu o ápice de sua bravura nesse filme. É incrível vê-lo lutando ao lado de dezenas de heróis, numa guerra que está fadada ao fracasso. Thanos é imbatível, mas ainda assim, Steve Rogers consegue nos impressionar segurando a mão do titã louco.

É impossível falar de Vingadores: Guerra Infinita sem mencionar o dono do Marvel Universe. Esses 10 anos não seriam possíveis se não fosse por Robert Downey Jr. o ator renasceu com o papel do Tony Stark e consolidou-se como a figura à frente desse ambicioso projeto. Robert é incrível e assimilou tão bem o papel, que ele é considerado o Homem de Ferro da vida real. Sua participação nesse filme condiz com a grandeza desse evento. Tony prevê e é assombrado pela chegada de Thanos desde o primeiro Vingadores, e depois de tanto tempo, é emocionante ver os dois ícones se encontrando e confrontando. Diante disso, não preciso nem mencionar o quão emocionado fiquei com a atuação e a participação do Homem de Ferro no filme, não é mesmo?

Gostaria de destacar um ponto muito interessante sobre Vingadores: Guerra Infinita. A forma como a história é contada e mostrada em tela, se assemelha muito à leitura de um quadrinho capa dura. Você vai transitando pelas localidades e se encantando com as cores, os traços, os efeitos e a forma como toda a arte do filme vai se construindo em tela. É realmente muito bonito.

Por fim, Vingadores: Guerra Infinita é o ápice de um projeto que está longe de terminar. O filme desconstrói todas as teorias, as histórias, as relações e os super-heróis. Thanos chega para quebrar de uma vez por todas a equipe, que tentará se recuperar em Vingadores 4. Sem medo de exagerar, mas falando com o coração nerd, cravo aqui o melhor filme de 2018 e uma das melhores produções cinematográficas dos últimos tempos. Daqui uns anos, você ainda olhará para esse longa e falará: nossa, como isso tudo é incrível.

Não deixe de viver essa experiência numa sala IMAX. E já aviso, o longa tem apenas uma cena pós-créditos. Boa sessão!