8ª temporada de The Walking Dead

Ontem (15) à noite foi ao ar o season finale da 8ª temporada de The Walking Dead. CUIDADO, ESSA CRÍTICA CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 8ª temporada de The Walking Dead foi boa?

Infelizmente a resposta é não. Pois é meus amigos, The Walking Dead caiu muito o nível da entrega nos últimos anos. Falta emoção, a história é arrastada e o roteiro não trabalha o desenvolvimento individual de vários personagens, fazendo com que muitos fiquem apagados e só façam volume em tela. Uma pena!

Pegar a guerra contra o Negan e esticar em duas temporadas foi um grande erro. Essa história poderia muito bem ser contada em apenas uma temporada. Falta dinamismo, falta ação e falta emoção nos acontecimentos e resoluções. Outro ponto negativo que quero destacar, é a estratégia de prender a atenção do público trazendo um mistério desnecessário. Acredito que o problema da audiência de The Walking Dead tenha começado mesmo no início da 7ª temporada, quando passamos meses esperando para descobrir quem tinha sido a vítima de Negan e na hora da entrega o episódio foi bem abaixo do esperado. A 8ª temporada não foi diferente, muita expectativa pra pouca guerra.

Jeffrey Dean Morgan se saiu muito bem no papel do antagonista. Ele entregou um personagem caricato, cheio de trejeitos e personalidade. Sua atuação foi tão boa, que arrisco a dizer que ele ficará marcado como Negan nas próximas produções que participar. Destaco os momentos que o ator usou seu talento para trazer à tona o lado emocional e humano do vilão. Nas cenas em que o roteiro nos aproxima do líder dos Salvadores, nós passamos a entender seus motivos, forma de pensar e acabamos nos afeiçoando por ele. Isso foi legal!

Andrew Lincoln é um ator incrível. Entra temporada e sai temporada e, enquanto os fãs rasgam seda para o Daryl, o sigo admirando e enaltecendo o talento do protagonista. É clichê gostar dos protagonistas, mas quando o ator é bom, o que eu posso fazer? Mais uma vez Rick Grimes nos mostrou que ele é o líder que o novo mundo precisa. Mantendo seus picos de insanidade e fúria, o personagem foi tocado pela morte do filho e recuperou seu lado humano, trazendo um novo rumo para a série.

Lauren Cohan teve momentos bons na 8ª temporada de The Walking Dead. A atriz é importante para o elenco e dá vida à uma personagem chave no novo mundo. Foi muito legal ver como Maggie amadureceu e cresceu ao longo dos anos. Hoje ela é uma líder estabelecida e com uma comunidade seguindo seus comandos. Torço para que o contrato da atriz seja renovado e ela continue na série.

Chandler Riggs se despediu de The Walking Dead e acabou de quebrar o coração de Rick. Confesso ter ficado surpreso com essa morte, mas ao mesmo tempo entendi o propósito disso tudo. O ator amadureceu junto com Carl e se destacou em alguns poucos momentos emocionantes do oitavo ano.

Há tempos bato na tecla de que a série deveria aprender com a forma como Game of Thrones trabalha. O elenco inflado é uma dificuldade que poderia ser vencida se os episódios abordassem várias histórias diferentes ao invés de serem focados em personagens. Estamos falando de uma série com 16 episódios e que vai ao ar no domingo à noite. Se o roteiro não for interessante e a direção não souber dar ritmo e prender a atenção do público, não vai ter outra solução senão o cancelamento.

Ainda há esperanças para a série. A 8ª temporada de The Walking Dead tem que servir como recomeço e lição para os produtores. Rick, Negan, Maggie (oremos pela renovação do contrato de Lauren Cohan) e os demais personagens, ainda têm boas histórias para serem contadas, agora nos resta torcer para que isso aconteça.