Santa Clarita Diet

Já está disponível na Netflix, a 2ª temporada de Santa Clarita Diet, produção original do serviço de streaming. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Santa Clarita Diet

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 2ª temporada de Santa Clarita Diet foi boa?

Santa Clarita Diet chegou ao catálogo da Netflix no início de 2017 contando a história de Sheila (Drew Barrymore) e Joel (Timothy Olyphant) Hammond, um casal insípido de corretores imobiliários que veem sua vida virar do avesso após Sheila se tornar uma extrovertida zumbi.

Em meio à mortes acidentais, ocultação de cadáveres e uma filha adolescente que consegue lidar – mais ou menos – bem com a situação, o casal Hammond consegue revigorar o casamento e tenta se adaptar à nova realidade com os conhecimentos científicos do vizinho nerd Eric (Skyler Gisondo).

Assumindo o posto de comédia familiar mais inusitada, para dizer o mínimo, Santa Clarita Diet parte agora para a sua 2ª temporada com a missão de resolver os problemas deixados em aberto – como controlar a deterioração de Sheila – mas também definir para onde a trama levará a família Hammond.

Se a 1ª temporada já chamou atenção pelo surreal, a segunda eleva o grau do absurdo a um nível tão alto quanto ao do stress sofrido por Joel. Zumbis sonâmbulos que matam nazistas? Check. A volta de Gary (Nathan Fillion) como uma cabeça decepada falante? Check. Ostras-zumbis que comem outras ostras para sobreviver? Triple Check. Tudo isso coroado pelas fortes cenas de desmembramento – pelo menos devo acreditar que são fortes, como fã de Hannibal e Tarantino, tudo parece bem normal para mim.

Em meio a esses acontecimentos, finalmente descobrimos como Sheila veio a se tornar uma zumbi e mais sobre a mitologia sérvia do seu novo modo de vida, com direito a cavaleiros Templários e uma Bolinha de Pernas – faz sentido, juro. Os Hammonds partem então para impedir que o status de “não-morto” se espalhe, enquanto se esquivam da polícia e tentam convencer a si mesmos que não estão traumatizando sua filha Abby (Liv Hewson).

Mas, é graças às atuações exageradas que Santa Clarita se torna um divertimento. Refletindo a loucura pela qual a família passa, todas as personagens estão no limite de um surto, como o casal de corretores rivais – Chris (Joel McHale) e Christa (Maggie Lawson). Mas o destaque cômico é de Olyphant, sempre com um sorriso nervoso e à beira de um ataque de pânico, Joel parece ser o único com a reação coerente à sua realidade.

Despretensiosa, leve e curta, Santa Clarita Diet é o típico exemplo de uma série feita para ser maratonada. É cativante sim, mesmo com a contínua sensação de que falta algo para enriquecer a história. Mas se a ideia do programa não é se levar a sério, por que você deveria?

Deixe a sua opinião nos comentários!