Um Lugar Silencioso

Na quinta-feira, dia 05 de abril, chega aos cinemas Um Lugar Silencioso, o novo filme da Paramount Pictures. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Uma família tenta se manter em total silêncio para sobreviver à ameaça que ronda a sua casa e que pode atacá-los ao menor sinal de barulho. Esse é o cenário aterrorizante do filme.

Um Lugar Silencioso é um filme muito eficiente. Com apenas uma hora e meia de duração, o longa consegue te envolver logo nos primeiros minutos e te deixa preso e agoniado na cadeira até o final da sessão. Prepare-se para sentir falta de ar, para suas mãos começarem a suar e você ter vontade de gritar junto com os personagens. É agoniante!

Em uma época onde o gênero do terror está cada vez mais batido e sem credibilidade, os estúdios deveriam se inspirar em Um Lugar Silencioso para produzir longas mais densos e intensos. No filme escrito e dirigido por John Krasinski, você se envolve com a família, entende a problemática e se sente ameaçado por um elemento muito básico e simples na nossa vida, o som. Hollywood não precisa de tramas complexas e mirabolantes, basta produzir um roteiro eficiente e bem amarrado para ter um filme de qualidade.

A forma como Um Lugar Silencioso trabalhou os elementos à sua volta é impressionante. O longa é uma experiência imersiva no silêncio. Você fica tão envolvido pela suavidade dos movimentos e o cuidado com que as coisas são feitas, que se alguém tossir do seu lado no cinema, você já dá um pulo da cadeira. Isso sem contar na experiência assustadora que é a quebra dessa regra. Os sons emitidos no filme são tão altos e detalhados, que você se assusta com qualquer ruído mais alto do que o permitido para a sobrevivência. É impressionante!

Para os consumidores do cinema moderno, é uma experiência única ver um filme mudo. São poucos os momentos que os atores realmente falam. De modo geral, a comunicação acontece através da linguagem de sinais. O grito e a voz deles ficam presos na sua garganta. O roteiro vai trabalhando a evolução e desenvolvimento da tensão, que ao final da sessão você tem duas vontades: dar um berro libertador ou sair em silêncio remoendo e digerindo o que acabou de assistir.

John Krasinski merece os nossos aplausos e reconhecimento. Seu trabalho como ator, diretor e roteirista foi perfeito. O resultado do seu papel em tela é impressionante. Vale ressaltar que Um Lugar Silencioso não te causa só medo e tensão, ele também te faz chorar em alguns momentos. Krasinski também merece destaque por ter protagonizado o momento mais emocionante do filme.

Emily Blunt entregou uma personagem forte, guerreira e extremamente corajosa. Que mulher incrível. Suas cenas de dor e medo são de tirar o fôlego. Você vai se encolher na cadeira na cena já mostrada no trailer, em que ela entra em trabalho de parto. Meu Deus do céu, não tenho nem palavras para descrever o quão aterrorizante foi esse momento.

Millicent Simmonds vive a filha do casal. Assim como no filme, a atriz é surda e muda na vida real. Quando o longa resolve nos mostrar os acontecimentos através da visão da personagem, nos deparamos com uma ótica diferente do apocalipse silencioso. É aflitivo, pois as coisas estão acontecendo ao redor dela sem que ela perceba.

Noah Jupe vive bons momentos em Um Lugar Silencioso. Ao lado de Millicent Simmonds, o ator protagoniza momentos dramáticos e tristes. Preste atenção nesse menino, ele é talentoso e tem um futuro brilhante pela frente. O terror em sua expressão e olhar é legítimo, é real, você acredita que ele está apavorado e se envolve com o seu medo.

Um Lugar Silencioso chega aos cinemas como um dos melhores filmes do primeiro semestre e certamente um dos melhores do ano. Ele mostra à Hollywood que é possível produzir uma história de qualidade com um roteiro simples. O longa dá um tapa na cara do gênero do terror, além de se destacar como um dos melhores suspenses dos últimos tempos. Filmão, vale muito a pena ser visto nos cinemas.

Depois volte para nos contar a sua opinião!