No dia 22 de março, chega aos cinemas Círculo de Fogo: A Revolta. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Círculo de Fogo 2

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Círculo de Fogo é uma franquia que traz na sua essência vários elementos da cultura pop, como robôs e monstros gigantes, grupos de jovens que se unem para salvar o mundo e ameaça alienígena. Até ai, ok! O problema é que o longa não consegue reproduzir em tela o mesmo carisma e emoção que os produtos originais que o inspiraram.

Uma vez que o filme cai na zona do clichê e da previsibilidade, a qualidade da produção é comprometida. Círculo de Fogo: A Revolta cai na mesma categoria que Transformers e Velozes e Furiosos, o roteiro é cheio de buracos, usa e abusa de frases de impacto, efeitos especiais e ainda assim, tem quem goste. Talvez os fãs do clássico anime Evangelion curtam o longa.

John Boyega vive o típico filho do herói revoltado e que nega o chamado. O roteiro é tão previsível, que logo nos primeiros minutos você já entende que a responsabilidade de salvar o dia será dele e da garotinha que faz o papel de aluna do personagem. O ator tem carisma, mas sua entrega não é nada fora do comum, inclusive em alguns momentos nos lembramos do Finn de Star Wars.

Scott Eastwood cai no velho clichê de: o filho não é tão talentoso quanto o pai. O ator é bonito, tem sobrenome, mas para por ai. Desde sua primeira aparição nas telonas ele não mostrou a que veio. E em Círculo de Fogo: A Revolta não é diferente. Ele vive a versão certinha do personagem de John Boyega, caindo na fórmula policial bom, policial ruim.

Cailee Spaeny é a personagem mais interessante do filme. A pouca carga dramática e emoção que Círculo de Fogo: A Revolta explorou, veio da atriz. Como o longa dá um gancho para continuar a história, torço para que ela retorne e se desenvolva mais caso tenha uma sequência.

Em termos de efeitos especiais, o longa é eficiente. Toda a mecânica das lutas, a construção dos monstros, robôs e a dimensão dos Kaijus e Jaegers é muito bem feita. Quanto a isso só tenho que elogiar.

De modo geral, Círculo de Fogo: A Revolta é um filme para a Tela Quente. Não espere grande coisa e entre na sessão somente com o objetivo de se divertir.