A Forma da Água

No dia 01 de fevereiro, chega aos cinemas A Forma da Água. O longa é dirigido por Guillermo Del Toro é um dos favoritos ao Oscar 2018. Fique tranquilo essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Do mestre contador de histórias, A Forma da Água é um conto de fadas dos mais imaginativos, ambientado no cenário dos Estados Unidos na época da Guerra Fria, por volta de 1962. No laboratório secreto e de alta segurança do governo onde trabalha, a solitária Elisa (Sally Hawkins) vive presa em uma vida de isolamento. Sua vida muda para sempre quando ela e a colega Zelda (Octavia Spencer) descobrem uma experiência secreta.

Acho importante começar falando que antes de assistir esse filme, você precisa ser fã do trabalho de Guillermo Del Toro e do universo e criaturas fantásticas que ele cria. Uma vez esse pré-requisito atendido, prepare-se para embarcar numa história de amor entre uma princesa e um monstro.

A Forma da Água traz para a tela a beleza e a pureza dos sentimentos. Você contempla a narrativa como se estivesse lendo um soneto sobre o amor. Não existe preconceito, julgamento e nem mentiras. Durante todo o filme vemos a verdadeira forma de amar e ser amado, desde o despertar do sentimento até a consumação da carne. Todo o universo fantasioso faz jus ao conto de fadas citado na sinopse. O filme é sensível, singelo e delicado, desde os mínimos detalhes até as cenas mais grandiosas.

Sally Hawkins consegue nos passar seus pensamentos, intenções e verdade sem nem sequer abrir a boca. A atriz trabalha muito bem suas expressões corporais e a linguagem dos sinais. Ela é delicada como uma princesa, mas tem o fogo e o calor de uma mulher.

Octavia Spencer dispensa comentários. Seu talento é mais do que conhecido, e sua presença abrilhanta ainda mais a obra de Del Toro. Contudo, vale ressaltar que sua interação com a protagonista faz toda a diferença na entrega final. A cumplicidade entre elas é muito gostosa de ver, sendo que uma completa as lacunas da outra.

O verdadeiro monstro em tela é Michael Shannon, que novamente esbanjou talento e qualidade em sua atuação. O ator é gigante da atualidade e rouba a cena em vários momentos. Ressalto a frustração por ele sequer ser indicado ao Oscar. Por tudo o que ele já nos mostrou ao longo de sua carreira, isso seria mais do que merecido.

Indicado como Melhor Ator Coadjuvante, Richard Jenkins faz o papel do poeta que narra esse conto de fadas. Ele abraça o amor de Sally Hawkins e dá forças para ela seguir com seu plano. Jenkins foi muito bem e teve bons momentos no filme.

A Forma da Água não vai agradar e tampouco impactar todas as pessoas. Porém, aquele que tiver a sensibilidade para desfrutar do amor passado em tela, certamente sairá tocado da sessão.

O longa chega aos cinemas no dia 01 de fevereiro.

Você está empolgado? Quais são as suas expectativas? Conta pra gente nos comentários!