Sobrenatural: A Última Chave

No dia 18 de janeiro, chega ao cinema Sobrenatural: A Última Chave, quarto filme da franquia estrelada por Lin Shaye. Fique tranquilo essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

As mentes criativas por trás do sucesso da franquia Sobrenatural estão de volta em Sobrenatural: A Última Chave. O filme que traz de volta a estrela da franquia Lin Shaye no papel da Dra. Elise Rainier. Dessa vez, a brilhante parapsicóloga irá encarar seus fantasmas mais pessoais e intensos até hoje: a casa de sua própria família.

O novo filme da franquia traz uma história relacionada ao passado da Dra. Elise Rainier e nos leva a época em que a parapsicóloga era só uma menina, revelando a origem do seu dom e como isso se desenvolveu e marcou a sua vida até a fase adulta. É interessante conhecer o início da jornada da protagonista e descobrir como tudo a afetou e a tornou o que ela é hoje.

A ambientação de Sobrenatural: A Última Chave nos remete as casas de Halloween que nos aventuramos nos parques de diversão. O clima sombrio, mórbido e assustador é muito bem construído. A fotografia, maquiagem e cenários dão um show e fazem toda a diferença na entrega final do filme. Rico em detalhes e com uma sonorização perfeita para te assustar, o longa proporciona uma experiência imersiva no mundo dos mortos.

O roteiro de Sobrenatural: A Última Chave se destaca em relação aos demais filmes do gênero. Os fãs de terror consomem esse tipo de filme por causa dos sustos e das criaturas horrendas que vemos em tela. Como esses elementos já estão garantimos, é uma surpresa quando a trama é interessante e muito bem amarrada. Você fica interessado pelo passado da personagem e se mantém preso na tela, mesmo que com os olhos semiabertos, para ver o que vai acontecer. O roteiro é simples, porém, eficiente.

Lin Shaye, novamente dá um show em tela. A atriz esbanja vigor e de forma delicada, porém, firme, mostra toda sua força e imponência no combate as forças do mal. Shaye mantém o velho carisma conhecido do público e protagoniza mais um capítulo interessante dessa franquia tão adorada pelos fãs.

Um dos pontos mais interessantes do filme e que merece destaque, é a forma como foram trabalhados os “jump scare” (sustos). Adam Robitel fugiu do clichê e se diferenciou dos outros diretores do gênero. Ao invés de anunciar e entregar o susto como já estamos acostumados, ele trabalhou o silêncio estarrecedor e a agonia nas cenas mais tensas. A câmera foca na personagem e prevê um susto que não acontece no momento em que estamos acostumados, o que causa ainda mais medo e agonia. Seus olhos ficam presos na tela e “nada” acontece, é agoniante. Porém, não se engane, quando você achar que o “perigo” já passou, é ai que o demônio aparece e te faz pular da cadeira. Que experiência incrível, quem é fã vai adorar!

Sobrenatural: A Última Chave estreia no dia 18 de janeiro.

Você está animado para esse filme? Quais são as suas expectativas? Conta pra gente nos comentários!