Me Chame Pelo Seu Nome

No dia 18 de janeiro, chega aos cinemas mais um filme que pode pintar no Oscar 2018, Me Chame Pelo Seu Nome. Fique tranquilo essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Aclamado no Festival de Sundance, o longa baseado na obra homônima de André Aciman conta a história do filho (Timothée Chalamet) de um professor americano que se apaixona pelo estudante de graduação (Armie Hammer) que vai morar com sua família no norte da Itália.

Me Chame Pelo Seu Nome é um filme sobre amor, descoberta da sexualidade, aceitação da família e toda a problemática e desafios que se passam na cabeça e coração de um adolescente que está tentando encontrar o seu lugar nesse mundo.

Interpretado por Timothée Chalamet, Elio é um menino sensível, observador e que aprecia os prazeres mais simples da vida. O protagonista se aproxima com o público durante sua jornada, o que emociona e cativa durante os altos e baixos dessa descoberta.

Já Armie Hammer, dá vida a um estudante, com a formação de caráter, personalidade, vontades e desejos formados. Ele sabe quem ele é, o que quer e o que não. Contudo, Me Chame Pelo Seu Nome se passa numa época onde a homossexualidade era um taboo, muito criticada e rejeitada pela sociedade. Não que hoje isso ainda não aconteça, mas naquele tempo a ignorância era maior. Oliver é um homem que se envolve com o menino e o chama para o mundo. O personagem tem atitudes que decepcionará o público, porém, ele é de suma importância para a formação e esclarecimento da sexualidade de Elio.

De modo geral, o longa é parado e tem um ritmo lento. Me Chame Pelo Seu Nome não se preocupa em trazer ação, drama e nem algum elemento que agite a história. O filme explora a beleza das relações de uma forma lenta, contemplativa e profunda. Ele tem as suas reviravoltas e momentos altos, mas tudo se mantém dentro do ritmo estabelecido logo nos primeiros minutos.

Quero destacar os vinte minutos finais que fazem toda a diferença na experiência final do filme. O diálogo entre o pai e o filho é sensível, tocante e resume o que todo homossexual gostaria de ouvir de sua família. O longa passa uma mensagem importante para os dias de hoje e representa muito bem a comunidade LGBT.

Me Chame Pelo Seu Nome estreia no dia 18 de janeiro.