O Estrangeiro

Nesta quinta-feira (11), chegou aos cinemas O Estrangeiro. O novo longa distribuído pela Diamond Films é estrelado por Jackie Chan Pierce Brosnan. Fique tranquilo essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Baseado no livro de Stephen Leather chamado de “The Chinaman” (O Chinês), o longa conta a história de Quan (Jackie Chan), que é dono de um restaurante chinês em Londres. Depois de um misterioso atentado terrorista em seu estabelecimento, ele perde sua filha e vê a polícia sendo negligente na tratativa do caso. Decidido a buscar justiça, ele parte sozinho atrás dos homens que devastaram sua família.

O Estrangeiro é o típico filme de ação que tem o único propósito de encantar o público com as cenas de lutas entre o protagonista e o restante do elenco. O roteiro do longa é raso e simples. A morte inicial dá início a uma caçada desenfreada, cheia de mortes e cenas de luta muito bem coreografadas.

Jackie Chan está em forma e dá vida a um personagem que mais bate do que fala. Estamos acostumados a vê-lo mesclar humor e ação, e em O Estrangeiro ele traz fúria e apatia. Sua postura é compreensível dentro do contexto do filme, mas a frieza do personagem fez Chan perder o brilho e o carisma que o consagrou no cinema.

Pierce Brosnan vive uma versão política e mafiosa de James Bond. O ator está em forma, continua charmoso e usa e abusa de um sotaque irlandês para entregar o chefão de um grupo terrorista. Contudo, Brosnan não tem o peso e a postura de um mafioso, então em nenhum momento sentimos tensão e o perigo no ar. Sua atuação se destaca em relação à de Chan, mas ainda assim não é marcante.

O Estrangeiro vai agradar os fãs de filmes de ação dos anos 80 e 90, que procuram se divertir com cenas de ação, explosões e lutas corpo a corpo. Se esse não for o seu caso, você irá se frustrar.

O Estrangeiro é o típico filme de ação que tem o único propósito de encantar o público com as cenas de lutas entre o protagonista e o restante do elenco. O roteiro do longa é raso e simples. A morte inicial dá início a uma caçada desenfreada, cheia de mortes e cenas de luta muito bem coreografadas.

Jackie Chan está em forma e dá vida a um personagem que mais bate do que fala. Estamos acostumados a vê-lo mesclar humor e ação, e em O Estrangeiro ele traz fúria e apatia. Sua postura é compreensível dentro do contexto do filme, mas a frieza do personagem fez Chan perder o brilho e o carisma que o consagrou no cinema.

Pierce Brosnan vive uma versão política e mafiosa de James Bond. O ator está em forma, continua charmoso e usa e abusa de um sotaque irlandês para entregar o chefão de um grupo terrorista. Contudo, Brosnan não tem o peso e a postura de um mafioso, então em nenhum momento sentimos tensão e o perigo no ar. Sua atuação se destaca em relação a de Chan, mas ainda assim não é marcante.

O Estrangeiro vai agradar os fãs de filmes de ação dos anos 80 e 90, que procuram se entreter com cenas de ação, explosões e lutas corpo a corpo. Se esse não for o seu caso, você irá se frustrar.

Depois que assistir o longa volte para nos contar a sua opinião, ok?