Extraordinário

No dia 07 de dezembro, chega aos cinemas Extraordinário, longa baseado na obra de literária R.J. Palacio. Fique tranquilo, essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Mas afinal, o filme é bom?

O filme conta a história de Auggie Pullman, um garotinho que nasceu com uma síndrome genética rara e mesmo após passar por diversas cirurgias, possui uma grande deformidade facial. Ele nunca frequentou a escola e agora que está prestes a entrar no quinto ano deseja ser alguém normal, estudar com professores de verdade e ter colegas.

Extraordinário é um filme que nos transporta para a época do colégio. Mesmo muitos de nós não termos os problemas de Auggie, é fácil resgatar na memória episódios de bullying e crueldade que presenciamos no passado. É impressionante como uma criança doce é inocente consegue ser malvada e cruel.

Jacob Tremblay é um menino maravilhoso e que tem um futuro brilhante pela frente. O ator faz parte dessa nova safra cheia de potencial e talento. Não duvido que ele seja indicado e ganhe um Oscar antes dos 20 anos. Em Extraordinário não nos deparamos com seu rostinho bonito, mas enxergarmos a beleza e doçura de sua alma e interior. Auggie é um personagem encantador, cheio de carisma, com uma jornada dura e difícil pela frente, mas que consegue trazer leveza e esperança para o mundo.

Quero destacar a conexão e fluidez da relação entre Auggie e o pai. A proteção e segurança ficam aos cuidados da mãe, mas é no pai que o menino encontra a força e motivação para encarar os desafios. Owen Wilson vive Nate Pullman, um paizão preocupado, protetor, mas que encoraja seu filho e o da força para seguir em frente. Vi muito do meu pai no personagem e isso me emocionou. Fico imaginando como deve ser estar no lugar dele e ter que enfrentar essa jornada junto com o filho. Não deve ser nada fácil.

Julia Roberts é uma atriz gigante e com uma carreira maravilhosa. Em Extraordinário, ela nos entrega uma mãe que vive para o filho e a família. Ela abre mão dela mesma e foca sua força e atenção em prol daqueles que ela ama. Isabel é uma personagem forte, doce e que ajudou muito Auggie a ser o menino especial que ele é. Tanto ela quando Nate (Owen Wilson) são responsáveis pelo caráter e fibra moral do filho e isso é muito bom, pois vemos o papel da família como um todo. Cada um tem a sua importância, o seu momento e sua forma de se conectar e contribuir para essa jornada.

Guarde o nome da atriz Izabela Vidovic, além de linda, essa menina vai brilhar muito nos próximos anos. A jovem interpreta a irmã mais velha de Auggie. A personagem tem uma história interessante e nos traz outra ótica da situação. Via ama e se preocupa com o irmão, mas ela também tem a sua vida, dilemas e problemas, mas, quem presta atenção nisso? Novamente me emocionei ao ver a cena da menina com a avó (Sonia Braga). Fui tocado pela situação e me vi nela. Tirando os problemas de saúde, a jornada de Via não é muito diferente da de Auggie e isso foi muito interessante.

Extraordinário não trata a doença e sim a postura dos alunos e a problemática que muitas escolas enfrentam todos os dias. As pessoas tem que assistir a esse filme não com olhar de pesar ou pena pela condição física do menino e sim enxergando o ponto de vista psicológico da situação. A educação, amor, tolerância, aceitação das diferenças e muitos outros pontos relacionados a caráter, começam em casa e são levados para as salas de aula.

Auggie nos ensina que devemos aprender a aceitar as diferenças, a enxergar o ser humano pelo seu interior, pelo seu caráter, postura, atitudes e coração. O mundo precisa recuperar a humanidade nas pessoas e a sociedade precisa recuperar o amor ao próximo. Só assim construiremos um futuro melhor para os nossos filhos e acabaremos com a violência e ignorância dos dias de hoje.

Tocante, sensível e humano, Extraordinário é um filme que vale a pena ser visto nos cinemas.

Extraordinário estreia no dia 07 de dezembro.

Depois volte para me contar o que você achou do filme, ok?