Jerry Lewis

Dean Martin, Don Rickles, Frank Sinatra e Jerry Lewis são nomes de atores e “entertainers” que não estão mais entre nós e que faziam parte da geração de ouro do cinema e da TV. O mais icônico entre eles, Jerry Lewis, considerado um dos maiores comediantes do século XX, deixou-nos aos 91 anos dado a causas naturais, em sua casa em Las Vegas, EUA.

Lewis teve uma carreira brilhante no cinema como ator, diretor e produtor. Foi com Dean Martin, na década de 50, que sua carreira alavancou exponencialmente nos programas de TV, tais como o “The Collgate Comedy Hour. Após os dois se separarem e buscarem oportunidades solo, Lewis estreou filmes como “O professor aloprado”, “O cinderelo sem sapato” e o “Terror das mulheres”. Não obstante, assim como Chaplin – seu ídolo confesso – chegou a dirigir, produzir, roteirizar e atuar em seus filmes. Tanto talento lhe herdou a fama de extremamente duro e perfeccionista em suas filmagens, características que ele manteve até o final de sua vida.

Infelizmente não ganhou o tão sonhado oscar por atuação e direção, mas seu trabalho humanitário no Telethon ajudou milhões de crianças que precisavam de ajuda.

Em 2013, o Brasil teve a honra de assistir Lewis contracenando junto com Leandro Hassum no filme “Até que a sorte nos separe”, fazendo o papel de bell boy, personagem que havia interpretado em 1960 em “o mensageiro trapalhão”.