Lino no Anima Mundi

Fox brilha com o painel de Lino no Anima Mundi!

A convite da Fox, no sábado (29) fomos conferir o painel da animação brasileira Lino no Anima Mundi. Tivemos a oportunidade de entrevistar o diretor do filme, Rafael Ribas, junto com a nossa amiga Bárbara Demerov do Cinematecando, confira abaixo:

1) Qual foi a cena mais trabalhosa de fazer?

A sequência mais trabalhosa pra gente foi a do castelo e da tribo (ambas apresentadas no Anima Mundi), por conta da parte técnica do processo (renderizar uma por uma das imagens). A gente tinha uma porcentagem de cenas com a câmera fixa, onde a gente renderizava o cenário e depois colocava o personagem por cima.

O cenário era a parte mais demorada para renderizar. Alguns demoravam duas horas por frame. Nós colocamos o máximo de computadores que o orçamento permitiu, mas ainda assim foi trabalhoso.

2) O que o Lino significa para você? Quanto de você existe no Lino?

Tem muita gente que pergunta isso e até falavam que o Lino parece comigo. Não sei. Eu acho que a gente acaba imprimindo um pouco da gente no personagem. Eu também sou um pouquinho tímido.

Através do Lino, eu tentei passar uma mensagem que se você gosta do que você faz e se você ama aquilo, tudo vai dar certo. Eu insisto muito nisso, até porque pra fazer o que eu fiz com tão pouco orçamento, preciso amar muito o que eu faço.

3) Selton Mello sempre foi sua ideia de ator para fazer o Lino desde o início? Como foi trabalhar com ele, Dira Paes e Paolla Oliveira?

Foi. Eu pensava no Selton desde antes deu ter a ideia pra fazer o filme, isso porque eu assisti A Nova Onda do Imperador, onde ele faz a voz da lhama e eu achei a dublagem dele melhor do que a original. A partir dai fiquei com isso na cabeça e pensava: se um dia eu fizer um filme, vou chamar o Selton pra dublar.

A Paolla e a Dira entraram no meio da produção. A Dira foi uma coincidência, pois a minha produtora executiva é prima dela, e o no dia que fiquei sabendo disso, eu pensei: poxa, ela é uma puta atriz, preciso dela no meu filme.

Da mesma forma que a Dira, eu admiro muito o trabalho da Paolla e achei que ela ia cair bem para o papel. A personagem é engraçada, bonita e tinha tudo haver com ela.

4) Nós notamos muitas referências da cultura pop nas cenas apresentadas no painel. Tem outras no filme?

Sim, tem muita coisa. Vocês vão ver que tem muita coisa dos anos 80. Não deu tempo de mostrar pra vocês os policiais, mas eles fazem piadas com os filmes da época como por exemplo, De Volta Para o Futuro. Eu queria que o Lino atingisse todos os tipos de público e não só as crianças, por isso coloquei várias referências.

5) O que você acha que Lino vai representar para o cinema nacional?

Espero que Lino abra portas para muita gente acreditar que é possível fazer animações no Brasil. E com isso, nós consigamos recursos para conseguir manter os profissionais e não perdê-los para o mercado internacional.

Lino – O Filme chega aos cinemas no dia 07 de setembro.

Você está animado? Nós já conferimos o painel de Lino no Anima Mundi e vimos várias cenas bem legais. Não deixe de prestigiar o trabalho do cinema nacional. A sua presença é extremamente importante para que esse mercado continue crescendo e melhore cada vez mais, pense nisso.

Até a próxima!