Tudo e Todas as Coisas

No dia 15/06, Tudo e Todas as Coisas chegará ao cinema, transferindo o best-seller de Nikola Yoon das páginas para as telonas. Essa crítica NÃO TEM SPOILERS.

Tudo e Todas as Coisas

Qual é, o filme é bom?

Stella Meghie dirigiu o filme que fala sobre uma menina de 18 anos que se chama Maddy (Amandla Stenberg) e tem uma rara doença que a deixa vulnerável a qualquer tipo de vírus e bactéria. Isso significa que ela viveu praticamente a vida toda presa dentro de casa. Isso até encontrar Olly (Nick Robinson), seu novo vizinho.

Em termos de atores, todos fazem bem seus papéis. A química entre os dois jovens é interessante, mas não mostra nada novo ou surpreendente. Já a trama surpreende, temos um caso similar ao clássico O Rapaz da Bolha de Plástico.

Por ser jovem, o filme se adaptou bem aos tempos atuais e não aparenta impossível. Fique de olho, há um pequeno easter egg de O Rapaz da Bolha de Plástico em Tudo e Todas as Coisas.

Vale notar que em filmes atuais, retratar a troca de mensagens por celular é complicado. Esse longa desenvolveu um método interessante para mostrar uma conversa digital. Esse foi um ponto interessante.

A trilha sonora tem várias músicas atuais, mas nada que diretamente contribua para as cenas em que aparecem. Em geral, temos um filme bem adolescente, com uma mensagem otimista e pouco profunda.

Se você leu o livro (diferente de mim) vale a pena conferir Tudo e Todas as Coisas como um entretenimento descontraído. Se você gosta de assistir filme tentando adivinhar o final, pode ser surpreendido no final.

O que achou da resenha? Vai ver o filme nos cinemas? Deixe sua opinião nos comentários.

Câmbio e desligo.