O que é a greve dos roteiristas?

Hoje vamos falar de um assunto que está deixando Hollywood de cabelos em pé, a nova greve dos roteiristas americanos.

O poder da televisão americana se equipara ou até mesmo supera o do cinema. Cada vez mais as séries investem pesado em locações, efeitos especiais e grandes nomes nos elencos, exemplo disso, são as consagradas Game of Thrones e Westworld. Além de investimento, tecnologia, direção e boas atuações, o sucesso dessas produções só é possível graças a um idem primordial, o roteiro.

Caso você não saiba ou nunca se interessou pelo tema, uma “Sala de Roteiristas” é formada por vários escritores, argumentistas e profissionais especializados em desenvolver as histórias ou adaptar as obras que tanto amamos. Não é um processo individual e tão pouco simples. Requer tempo, cabeças pensando, criatividade e lógica para que tudo se encaixe, prenda a nossa atenção e faça sentido no desenrolar da trama.

A primeira grande greve

Em 2007, as produções americanas sofreram com a paralisação desses profissionais, que nada mais exigiam do que uma revisão em seus honorários e lucros com as entregas de seus produtos. Justo, não acham?

Para nós brasileiros, o termo “greve” remete aos bancários, metalúrgicos, transportes públicos, entre outras categorias que constantemente contestam seus contratos e pró-labore. Não estamos aqui para falar sobre política, leis e nem avaliar os por quês disso, ok? Não se exaltem. A ideia aqui é trazer a vocês um pouco do cenário lá fora e como isso pode afetar o seu entretenimento.

É estranho para nós pensar que um roteirista possa fazer uma greve. Tenho certeza que muitos de vocês nem sequer sabiam que havia um sindicato para essa categoria certo? Afinal, a força/peso (e não a qualidade, ok?) das séries brasileiras no mercado de entretenimento nacional é muito inferior as americanas. O Brasil tem uma cultura muito forte para telenovelas e consume muito as produções internacionais.

Impactos causados

Depois de ter um panorama da situação, algumas duvidas ficam no ar:

1) Por que essa greve pode ameaçar a minha série favorita?

2) Ela corre risco de ser cancelada?

Vamos lá! Além de causar um atraso no início das filmagens das novas temporadas, a greve dos roteiristas é extremamente prejudicial para as séries. Vou usar dois exemplos fortíssimos de como esse movimento pode acabar com uma produção.

Dez anos atrás, grandes nomes como House e Prison Break tiveram suas temporadas encurtadas por conta da greve. Isso é péssimo para o desenrolar das tramas, que muitas vezes ficam sem pé nem cabeça e acabam perdemos muita audiência.

O trabalho de reconstrução de uma história que foi adaptada pra acabar precocemente é muito difícil e pode levar uma série ao fim. Vejam o que aconteceu com Lost que era um fenômeno e depois da greve foi descendo ladeira abaixo (não só pela paralisação, mas também pela loucura e pontas soltas do roteiro), ou até mesmo Heroes que trazia meta-humanos para a televisão sem beber da fonte dos quadrinhos e tinha tudo para ser um sucesso.

Ah, cuidado, os atores também podem aderir a greve e dai o caldo entorna de vez.

Antes que você se desespere, séries como Game of Thrones, Vikings e outras que já tiveram todos os episódios gravados não correm risco ok? A não ser que a coisa se estenda e tome uma proporção muito maior.

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos e torcer para que ambas as partes entrem num acordo e essa questão tenha a melhor resolução possível.

Até a próxima!