Battlefield 1
Ils ne passeront pas ! – Battlefield 1

Battlefield 1 continua quebrando paradigmas, tendo cada vez mais novos conteúdos sendo preparados de forma meticulosa pela DICE. Assim como anunciado anteriormente pela empresa, 4 DLC’s serão disponibilizados ao longo de 2017 aos gamers que comprarem a edição Premium  – salgados R$150,00 aqui no Brasil.

O primeiro pacote, lançado essa semana de forma antecipada para os players Premium, foi o DLC “They Shall not Pass”, introduzindo o lendário exército francês contra as investidas alemãs em seu território. É desse pacote que iremos falar hoje, trazendo a você uma matéria completa, com um pouco de contexto histórico e gameplays exclusivos.

Os franceses jamais anteciparam que a primeira grande guerra começaria da forma como ocorreu, mesmo tendo contribuindo na criação do monstro chamado corrida armamentista. Após a derrota na guerra franco-prussiana de 1870, a nação de Napoleão III perdeu seu prestigio e seu Grand Armée. Se antes era a França, o grande poder geopolítico europeu durante boa parte dos primeiros anos do século XIX, a Alemanha do aço e sangue de Bismarck tomou o lugar. No final do século XIX Bismarck fez questão de isolar a França politicamente através de sua Tríplice Aliança, enquanto a França, assim como a Alemanha, iniciou um processo de militarização ferrenha, com o objetivo de, no futuro,  reaver seus territórios perdidos na Era Bismarck-Napoleão III, aliando-se a Inglaterra e o Império da Rússia.

A França da primeira guerra era a França da corrida armamentista. Munida de equipamentos que pareciam saídos de um livro de Jules Verne, uma mistura de tecnologias do século XIX e início de século XX. Diferente do senso comum, os franceses sim possuíam um exército competente e equipado, pronto para conter uma investida alemã. Entretanto, seus generais e seus grandes egos fizeram com que os franceses angariassem grandes perdas e batalhas no início da guerra, como na Alsacia-Lorena e nas Ardenas.

Em Battlefield 1 vemos o exército francês em sua forma esgotada, cansado de inúmeras batalhas, de soldados veteranos que questionam quando voltarão para casa, insistindo que nenhum alemão atravessará suas linhas de defesa – dai a famosa frase “Eles não passarão”. O emblemático uniforme celeste faz parte da vestimenta dos soldados e no game fizeram com que não fosse chamativo o suficiente para que fosse um palhaço colorido nos meios das trincheiras. A dublagem em francês é bem interessante e da uma imersão a mais ao game. A adição do exército francês foi de uma felicidade enorme, já que boa parte dos hardcore fans ameaçavam a boicotar o game pela ausência de uma nação tão fundamental no conflito, senão a principal.

Falando em  batalhas que eles participaram, esse será o tema que abordaremos a seguir.

Quatro novos mapas foram adicionados em Battlefield 1, sendo distribuídos entre os diversos modos disponíveis. No dia do release do Early Access do Premium jogamos todos os quatro no modo conquista, um dos mais populares modos atualmente – gameplays exclusivos do Nerd Break

Mapa Montes de Verdun

Battlefield™ 1_20170314233328

Tio Beto joga battlefield 1 – Verdun #PS4share

Publicado por Beto Carnier em Quarta, 15 de março de 2017

A mais famosa batalha da Primeira Grande Guerra não poderia ficar de fora. Entre 21 de fevereiro a 18 de dezembro de 1916, franceses e alemães se digladiaram nos montes da região de Verdun-Sur-Meuse, onde quase 1 milhão de soldados perderam as suas vidas. Nesse contexto, o mapa em conquest foi criado com diversas trincheiras lamacentas, um ambiente quase morto pela destruição, incluindo incêndios que se estendem pelos vales.

Mapa Fort de Vaux

Battlefield™ 1_20170316021817

Tio Beto joga battlefield 1 – Fort de Vaux #PS4share

Publicado por Beto Carnier em Quarta, 15 de março de 2017

havíamos escrito que Fort de Vaux seria o Operation Locker de Battlefield 3 e 4. E de fato é. Sendo uma das fortalezes que foram dominadas pelos alemães dentro da Batalha de Verdun, Fort de Vaux é um mapa pequeno para conquest. O ambiente é bastante frenético quanto a conquista de bandeiras. Soldados se espremem a cada centímetro e metro quadrado para conquistar territórios. Um mapa necessário para os amantes de destruição em massa, altos frags e os que querem estourar o aparelho de som de casa com os sons de tiros e explosões ecoando nos grandes salões da fortaleza. Aqui é diversão garantida para fraggers e cia.

Mapa Soissons

Battlefield™ 1_20170316023312

Tio Beto joga battlefield 1 – Soissons #PS4share

Publicado por Beto Carnier em Quarta, 15 de março de 2017

Soissons foi uma batalha cujo foco foi a cavalaria pesada. Cerca de 478 tanques fizeram parte da ofensiva contra os alemães. No game, os vales e posições de defesa se misturam a paisagem bucólica dos campos franceses, típico mapa de batalhas antigas e medievais. O mapa é bem grande, tendo a aparição do novo Behemoth, o qual falaremos mais adiante.

Mapa Ruptura

Battlefield™ 1_20170315022645

Tio Beto joga Battlefield 1 – French Army DLC #PS4shareBattlefield™ 1https://store.playstation.com/#!/en-us/tid=CUSA02429_00

Publicado por Beto Carnier em Terça, 14 de março de 2017

Um de nossos favoritos do DLC, Ruptura é um emblema para Battlefield 1. Entre as pontes do rio Aisne, os campos repletos de papoulas vermelhas, símbolo dos veteranos da grande guerra, os franceses devem capturar pontos estratégicos diante de trincheiras e pontes medievais,com  um horizonte de por do sol de tirar o folego.

Algo que não poderia faltar e prometido pela DICE é a adição de novas armas em cada um dos pacotes. Em They Shall Not Pass houve a introdução de seis novas armas. Quatro delas exclusivamente francesas:

  • Lebel Model 1886 – Rifle da classe de Scout, famoso por ser o primeiro a utilizar cartuchos Smokeless Powder. Um poderoso rifle porém de recarga lenta com um sistema de ação por ferrolho rudimentar  do final do século XIX.
  • Ribeyrolles 1918 – Rifle de assalto da classe assalto, mais um rifle experimental que não chegou a ser utilizado de forma plena durante a primeira guerra (algo que a DICE adora fazer). Na vida real era de péssima engenharia, entretanto no game é um contender da Automatico 1918.
  • Chauchat – Metralhadora leve da classe de suporte, considerada uma das piores armas da primeira guerra mundial com lento fire rate.
  • RSC 1917 – Rifle semiautomático francês para classe de médico. Também conhecido como Fusil Automatique MLE 1917, veio como uma estratégia de substituir os rifles Lebel no exército francês.
  • Sjörgen – Escopeta para classe de assalto, um rifle que foi pouco utilizado durante a primeira guerra e com um sistema de ação inercial.
  • Mle 1903 Extended – Pistola Belga com carregador estendido.

O novo modo de jogo, conquista, consiste em duas equipes tentando conquistar  uma bandeira de cada vez. Capturando os pontos de controle de QG dos inimigos, o jogo mudará para uma seção no estilo Investida onde os telégrafos precisam ser atacados ou defendidos. Esse modo é bastante frenético e chega a competir com Operations.

Dentre outras novidades temos a classe de elite Chuck Norris 2.0, o Desbravador de Trincheiras, que sai dando porretes em todo mundo e lançando granadas contra o inimigo – até não dar mais.

O novo behemoth é uma adição de botar medo: o tanque gigante Char 2C, uma espécie de “30 coisas funcionando em 1”. Foi uma invenção francesa do entre guerras e que não chegou a ser entregue aos campos de batalha da 1GM. Chegou a participar na segunda guerra na defesa da Linha Maginot, mas dado a sua tecnologia defasada, serviu mais como peça de propaganda, dado ao seu tamanho, como qualquer outra coisa.

Onovo DLC de Battlefield 1 apresentou a nós um pouco do que virá pela frente. Um conteúdo interessante, que talvez possa ser melhor aproveitado com mapas maiores nos próximos pacotes.  Se a DICE continuar no mesmo ritmo, mantendo o capricho na execução dos novos conteúdos, possivelmente BF1 entrará como um dos melhores games da franquia.

E você, concorda com a nossa análise?

Have a jolly good day !