Já está em cartaz um dos filmes mais polêmicos e criticados da atualidade, 50 Tons Mais Escuros. Vamos conversar sobre essa obra prima (tom irônico) dos cinemas.

Mas afinal, o filme é bom?

Christian Grey (Jamie Dornan) e Anastasia Steele (Dakota Johnson) estão de volta, ainda mais safados, canastrões e loucos por sexo. Gente do céu, que apetite sexual tem esses dois hein? Sexo é bom? É ótimo, mas não venha me dizer que amarrar a menina de bruços e dar uns tapinhas na bunda dela é ser sadomasoquista, faça me o favor.

50 Tons Mais Escuros é um excelente filme para você rir. Rir Fábio? Como assim? Simples meus amigos, frases como: “Você me ensinou a foder, e ela me ensinou a amar”, o fato do cara (possessivo, problemático e extremamente controlador) comprar a empresa pra controlar a vida da menina ou ainda a cena esdruxula em que ele sofre um acidente de helicóptero, volta do nada (ele se teleportou?), todo sujo (não deu tempo de se limpar?), dispensa a família (que estava preocupada) e leva a Ana (que antes estava chorando, mas ao vê-lo a sua deusa interior já deu saltos triplos e ficou excitada) para o chuveiro e transa loucamente, são motivos de sobra pra você não levar essa história a sério e cair na gargalhada.

É completamente estranho o fato das mulheres (que lutaram tanto pelos seus direitos e espaço no mundo) se encantarem por um homem como Christian, cheio de traumas e problemas psicológicos. A forma como o roteiro transforma o protagonista através do amor e maqueia um assunto sério (o abuso e traumas infantis) através de um pornochanchada com toques de romance, é completamente irreal. Cuidado gente, esse tipo de assunto (o trauma do Grey) é sério e não se cura na cama e nem com beijos.

Já Anastasia, que decepção para as mulheres. Num mundo onde a figura feminina luta cada vez mais para se firmar e quebrar o preconceito e abuso dos homens, Ana não passa de uma mulher vislumbrada pelo sexo (lembrando que ela era virgem) e que se encanta com um bilionário bom de cama.

Então o filme é uma merda?

Não diria isso. 50 Tons Mais Escuros teve avanços em relação ao primeiro filme. As cenas de sexo foram melhores dirigidas e filmadas (sem parecer um comercial de camisinha como no longa anterior), a trilha sonora (que é ótima por sinal) continua sendo uma das melhores coisas e por fim, a fotografia é bem bonita, cheio de cenas e lugares mágicos que cairiam perfeitamente num romance água com açúcar.

Você quer mesmo ir ao cinema assistir esse filme? Não recomendo. 50 Tons Mais Escuros é um longa com atuações ruins, uma história sem sal, que não te prende e (como estamos falando de um filme de sexo) tão pouco excita. Valeu a tentativa, mas ainda não foi dessa vez. Caso você opte por assistir nos cinemas, prepare-se para ficar com dor na barriga de tanto rir.

E você, gostou de 50 Tons Mais Escuros? Você leu os livros? Está ansioso para 50 Tons de Liberdade? Conta pra gente e viva o sexo (seguro, consentido e indolor)!