2ª temporada Narcos

Misturando ficção com realidade, 2ª temporada de Narcos estreou na sexta-feira na Netflix. A série que acompanha a trajetória de um dos maiores e mais famosos narcotraficantes do mundo chega com a pergunta: Quem matou Pablo Escobar? Vamos conversar sobre isso!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, a 2ª temporada de Narcos é boa?

Produzida por José Padilha, diretor de Tropa de Elite 1 e 2, e estrelada por Wagner Moura, o segundo ano da série culmina com o fim da Era Escobar. Não é spoiler nenhum dizer que Pablo morre no final da 2ª temporada de Narcos, na verdade isso era mais do que esperado, não é mesmo? Deixar isso claro desde o começo da temporada só aumenta a tensão e ansiedade para ver a resolução dessa trama marcada por sangue, guerra e milhares de mortos.

A caçada por Escobar já havia começado na primeira temporada, porém, os novos episódios apertam cada vez mais o cerco, a ponto da situação sair do controle de todos os lados e a violência perder todos limite. O Pablo que conhecemos vai se desconstruindo e perdendo força. O Patrón vai ficando de lado e o homem vai saindo do corpo do animal raivoso. Pai, marido e filho, um a um você vai conhecendo e se afeiçoando com esses lados até então pouco explorados na série. A imponência e medo causado por ele são deixado de lado conforme o personagem vai sendo humanizado. Ao final, ele não passa de um homem que cometeu erros gravíssimos por ser vingativo, impulsivo e explosivo. Escobar encerra sua história como um Don que morreu como um coitado no telhado de um casa.

Os agentes Murphy e Peña estão de volta em segundo plano, mas com uma entrega de qualidade. O terror que eles viveram foi sentidos por nós que ficamos grudados no sofá. Fico imaginando a real sensação que esses homens sentiram durante esses anos de caçada. Mortes, sangue, medo, como alguém consegue viver assim? O sentimento de vitória e missão cumprida ao matarem Pablo, deve se assemelhar ao ar voltando aos pulmões de se afogar.

Avaliando os episódios, quero destacar o quarto que termina com um plot twist (reviravolta) que te deixa de boca aberta e o faz levar as mãos a cabeça. Que final sensacional! No mais, a ação vem numa crescente até o oitavo episódio. A partir dai, a melancolia anuncia que o fim está próximo e faz sua ansiedade aumentar com a pergunta: Quem matou Pablo? A resposta é irrelevante, a forma como acontece é o que realmente importa.

Finalizo deixando aqui registrado a minha admiração pelo talento de Wagner Moura. Sua entrega ao personagem e profundidade de sua atuação, são inegáveis e até nos fazem passar a torcer pelo bandido. Não é de hoje que ele é um dos grandes nomes do cinema brasileiro. Narcos só serviu para consolidar sua carreira internacional, que tende a crescer daqui pra frente. Torço muito para que grandes diretores e produções utilizem o talento desse ator que merece todo o nosso respeito e reconhecimento. Parabéns Wagner Moura!