Celebrando os 50 anos da franquia, hoje chega aos cinemas um filme para os fãs de ficção cientifica. Fique tranquilo, nossa crítica de Star Trek: Sem Fronteiras, NÃO CONTÉM SPOILERS.

Mas afinal, o filme é bom?

Há anos existe uma grande divisão entre os fãs e uma pergunta que não quer calar, Star Trek é melhor que Star Wars? Essa discussão toma conta das rodas nerds e até faz os fãs mais apaixonados se exaltarem. Preferências a parte, Star Trek: Sem Fronteiras é um filme que merece ser visto por todos os públicos sendo fã ou não.

O longa agora produzido pro J.J. Abrams, que para os desinformados de plantão dirigiu Star Wars – O Despertar da Força, tem a direção de Justin Lin (Velozes e Furiosos) e continua a jornada do Capitão Kirk e a tripulação da Enterprise, em busca de explorar a imensidão do universo e chegar a lugares desconhecidos.

Trazendo de volta todo o elenco da nova trilogia, esse é um dos pontos mais altos da história. A química entre os tripulantes da Enterprise é sensacional e te encanta com a dinâmica em tela. Chris Pine lidera esse time de gigantes que tem seus papéis bem definidos e espaço para se desenvolverem na trama. Palmas para o responsável por esse casting.

O ponto acima é tão forte, que fica até estranho ter que substituir Anton Yelchin, falecido num trágico acidente de carro. Todos os personagens estão casados/encaixados em seus papéis e a fluidez da história se dá muito por conta disso, sem falar do roteiro bem amarrado e conciso.

Nos encantamos com as imagens e efeitos especiais de Star Trek: Sem Fronteiras, que traz toda a magia do espaço para as telas de forma majestosa. O 3D deixa a desejar e é totalmente dispensável. Se conseguir encontrar uma sessão 2D, opte por ela.

O vilão Krall vivido por Idris Elba é uma grande aquisição ao elenco. Poderoso, rancoroso e vingativo, o personagem causa um estrago aos membros da Frota Estelar e é uma grande ameaça. Confesso que mesmo tendo gostado de Krall,  prefiro o Khan vivido por Benedict Cumberbatch em Além da Escuridão.

Se você for ao cinema sem nenhuma expectativa, certamente irá se surpreender. Rihanna abre a sessão com seu novo single “Sledgehammer”que faz parte da trilha sonora do filme, já te ambientando e preparando para o que está por vir. É muito bacana!

Não posso deixar de citar as homenagens ao elenco original. De forma sútil e carinhosa, Leonard Nimoy e os antigos membros de Jornada nas Estrelas são lembrados e eternizados. Os fãs mais antigos irão se emocionar. Depois de todos esses motivos, você ainda está em dúvidas? Corre! Vá assistir Star Trek: Sem Fronteiras, você não irá se arrepender. Não se esqueça de voltar para nos contar a sua opinião!

Vida longa e próspera!