Mais um episódio de Mr. Robot que mais questiona do que responde. Conhecemos mais um pouco do passado de Elliot e de como ele acabou desenvolvendo sua segunda personalidade e arquitetou o grande plano de hackear e destruir a E Corp, o “1%” e mudar o mundo.

Elliot

O plano deu certo, porém agora aparecem os problemas, sua irmã vai visita-lo para informar dos últimos acontecimentos, Roman está morto e o FBI está se aproximando mais rápido do que eles esperavam. Ela precisa de ajuda, mas não de Elliot, mas de Mr. Robot.

Essa personalidade cresceu muito e ameaçou tomar o controle de vez. Para isso, Mr. Robot sugere uma partida de xadrez, o vencedor tomaria o controle. Porém bastam algumas partidas para que Elliot finalmente entenda: Ele e Mr. Robot são 2 partes de um todo, um não vive sem o outro, ele não pode simplesmente se livrar da outra metade.

Após ambos se acertarem, Elliot vai ao encontro de Ray e aceita ajuda-lo em seu negócio de bit-coin sem saber muito bem onde está se metendo. Ao mesmo tempo, volta ao mundo virtual e decide ajudar sua irmã, hackeando o FBI.

O episódio, conforme comentei, não evoluiu muito na história, mas como vem fazendo em todos os episódios dessa segunda temporada, filosofa sobre questões da vida moderna, no episódio 3, a palavra chave era “Controle”. Nesse é “Existência”, qual a razão de Elliot existir?  Vemos que ao divagar sobre seus desejos e motivações, há um propósito de fazer o mundo melhor, ter uma vida normal, ser sociável. E qual a razão de Mr. Robot existir? Talvez ele tenha sido criado pelo subconsciente de Elliot justamente para fazê-lo atingir esses objetivos.

Os episódios têm discutindo bastante a sociedade em que vivemos, apesar de fugir um pouco da história principal, o tema é bem interessante. Vamos aguardar o próximo.