caça-fantasmas

Ontem entrou em cartaz o reboot do clássico dos anos 80, As Caça-Fantasmas. Dirigido por Paul Feig e com grandes nomes no elenco como Melissa McCarthy, Kristen Wiig, Leslie Jones e Kate McKinnon, o longa busca revitalizar a franquia trazendo o Girl Power para a história.

Mas afinal, o filme é bom?

Tem dois gêneros de filmes que são muito difíceis de ser explorados sem cair no clichê e ainda agradar a maioria do público, o terror e a comédia. São poucas as produções realmente de qualidade que vemos quando falamos de tipo de filme. Podemos até dividir entre inteligentes e engraçadas e escrachadas e forçadas.

As Caça-Fantasmas carregam a difícil missão de dar continuidade a um legado tão querido pelos fãs, sem estragar o que foi feito no passado e ainda rebater todas as criticas preconceituosas por conta do grupo ser formado por mulheres. Aqueles que criticam o filme por conta disso, por favor, parem! No mundo em que vivemos hoje não há espaço para preconceitos de nenhum tipo. Se você ainda não abriu a cabeça e vive no passado, peço que reflita e comece a mudar os seus conceitos.

As mulheres não são o problema do filme, muito pelo contrário. Destaco Leslie Jones que roubou a cena com seu humor e gingado do negro americano. Caramba, que postura e atuação boa. Melissa McCarthy que vive a líder do grupo, faz jus ao papel, mas sem grande destaque. Já Kate McKinnon e Chris Hemsworth são os personagens que mais me incomodaram, por conta do humor canastrão e esteriótipo de “os bobões” do grupo. Kristen Wiig tenta trazer seriedade para o filme, mas entrega um atuação chocha e sem sal.

O problema de As Caça-Fantasmas está no roteiro e no tom que quiseram da para a história. Precisava de tanto besteirol? Não né? Passou um pouco da medida e ao invés de mostrar o Girl Power entregou quatro trapalhonas sem noção e que fazem piadas e tem cenas forçadas para tentar arrancar as risadas do público. Não precisava disso!

E o elenco original? Tudo que remete ao filme clássico está presente no reboot e isso é bom e ruim ao mesmo tempo. A parte boa é rever os quatro personagens originais (inclusive o falecido Harold Ramis que tem um busto no filme em sua homenagem) voltando para a franquia, mesmo que com outros papeis. A parte ruim, é a dependência que o longa tem em relação ao material original. Trilha sonora, uniformes, participações especiais e até fantasmas nos remetem ao longa dos anos 80. Essa “bengala” tirou a personalidade que a revitalização podia entregar e manteve o filme na zona de conforto, buscando segurança em easter-eggs e fan service. Estúdios, se vocês vão rebotar uma franquia, se arrisquem e não tenham medo de inovar.

Em resumo, não basta colocar quatro atrizes boas para fazer piadas forçadas e entregar fan service para o filme ser bom. Faltou ousadia, acertar o tom e passar o bastão do velho para o novo de outra forma.

Você gostou de As Caça-Fantasmas? Qual filme você gostaria que fosse rebotado? Deixe a sua opinião nos comentários.