caseiro
O Caseiro

O Caseiro, o “terror” nacional!

Ontem chegou aos cinemas o novo filme estrelado por Bruno Garcia, O Caseiro. O longa dirigido por Julio Santi, conta a história de uma família que é assombrada pelo espírito de um caseiro, e que pede ajuda de um cético professor de psicologia para solucionar o mistério.

Mas afinal o filme é bom?

Para minha total decepção, não, não é bom! Se você como eu gosta de prestigiar o cinema brasileiro, certamente irá se frustrar. A premissa do longa é boa e tinha tudo para fazer um bom filme de terror, mas é ai que começam os problemas.

Claramente, O Caseiro teve medo de abraçar o gênero e assumir: somos um filme de terror. O longa tem a paleta composta por cores frias, para passar a sensação de mistério e ocultismo, mas esse gênero pede muito mais do que isso. A falta de clareza na intenção é tamanha, que você lê na classificação: terror, mas sai da sessão falando: ué, esse foi um suspense bem do meia boca.

De quem é a culpa disso? Atribuo ao diretor. Santi tinha na mão um elenco composto por uma fera (Bruno Garcia), uma atriz em ascensão (Malu Rodrigues), uma veterana (Denise Weinberg) e outros papéis menores, sem contar as pequenas estreantes. Faltou direção, trabalho de câmeras, plano sequência bem desenhado, cortes bem feitos e principalmente, o longa pecou e foi comprometido pela falta da construção do clima.

O Caseiro traz elementos de filmes hollywoodianos consagrados, mas que foram mal explorados durante a história. Uma pena, pois com o material que Santi tinha em mãos, dava no mínimo pra fazer o filme valer a pipoca.

Não desanimem e tampouco menosprezem o cinema nacional caros leitores. Nosso país está cheio de talento e boas histórias pra serem contadas, prova disso é Mais Forte Que o Mundo – A História de José Aldo, que julgo ser um dos melhores filmes nacionais dos últimos tempos.

Você assistiu O Caseiro? Qual a sua opinião sobre o filme? Conta pra gente nos comentários.

Até a próxima!