Chegou ao fim a 1ª temporada de Supergirl. A nova série de um dos heróis da DC Comics produzida por Greg Berlanti e transmitida pelo canal americano CBS, chegou para contar a história de Kara Zor-El, prima mais velha do Homem de Aço.

Mas e ai, a 1ª Temporada de Supergirl foi boa?

Começando com um tom mais leve e claramente voltado ao publico feminino adolescente, a Garota de Aço demorou a engrenar. Vivendo na sombra de seu primo que é citado o tempo todo, principalmente no inicio da temporada, a trama se apresenta fraca e sem sal, mas se acalme ela não segue assim até o final.

Tendo Arrow e The Flash no ar a mais tempo, chega a ser inevitável a comparação entre as produções. Supergirl procura sustentar a sua história com referência aos quadrinhos e passa por um momento de transição entre o episódio 01 ao 11, onde realmente a história te cativa e faz você começar a gostar da série. O curioso, é que a mesma coisa aconteceu comigo com The Flash, que teve um começo bobinho, sem sal e sem poder ser levado a sério. Porém, também depois do 11º episódio a trama engrenou e hoje está no nível: Run Barry Run.

Vale a pena assistir Supergirl? Sim, vale! Assim como a heroína, a série vai crescendo e desenvolvendo seus personagens, construindo a história de cada um e estabelecendo de forma convincente as relações. Outro ponto positivo, eles colocam o Superman de escanteio e passam a cita-lo pontualmente.

Destaco a excelente dinâmica entre a heroína e o nosso querido velocista escarlate, que convenceu, cativou e deixou um gostinho de quero mais no episódio crossover. Espero que a segunda temporada venha recheada de novos encontros, incluindo o decadente Arrow. Torço também, pela escalação de um ator para dar rosto ao Homem de Aço, e digo mais, adoraria ver Tom Welling, já maduro e experiente, reviver o papel que o consagrou em Smallville.

A sensação ao final da temporada é que Supergirl é uma série para a família. Onde as relações são construídas, desenvolvidas e muitos dos problemas apresentados são vividos pela juventude e pelos jovens dentro de casa. Vale a pena assistir, só tenha paciência até o 11º episódio.

Pontos positivos: as referências aos quadrinhos, Cat Grant, o crossover, o Marciano

Você gostou da 1ª Temporada de Supergirl? Quais as suas expectativas para a segunda temporada? Deixe a sua opinião nos comentários!