Deadpool

Ontem chegou aos cinemas o primeiro filme derivado dos quadrinhos desse ano, mas ele não é bem um herói, ele é o Deadpool.

filmagens de Deadpool 2

 

Mas afinal, Deadpool é bom?

Ryan Reynolds volta ao papel do mutante tagarela buscando se redimir de seus longas anteriores, Lanterna Verde e X-Men Origens: Wolverine, onde ele interpreta o mesmo personagem falastrão.

Com o orçamento baixo, o longa fez um excelente trabalho de marketing e Reynolds se esforçou muito para que esse projeto acontecesse. Para ele não era só mais um filme e sim um pedido de desculpas aos fãs. O ator gravou diversos comerciais e tirou várias fotos para a campanha, e deu certo. Proibido na China, com classificação 18 anos nos EUA  e 16 aqui no Brasil, por conta do sexo e da violência, o filme era uma dúvida. Isso sem contar a desconfiança com relação ao ator.

Sem surpreender o filme é exatamente aquilo que foi visto nos trailers, o que é um ponto de atenção aos estúdios que precisam se atentar para não estragar a experiência de ir ao cinema. Isso prejudica muito o filme? Não! Mesmo com uma premissa simples e alguns pontos mal desenvolvidos, o longa confirma a frase clichê “menos é mais”, entregando uma história de origem muito acima da média se comparada com outros filmes do gênero.

O anti-herói tagarela cativa, levando o público cair na gargalhada durante toda a sessão. Deadpool é um filme sem medo o que o diferencia de todos os outros. Sem medo de ser quem ele é, de falar palavrões, de usar a violência e de falar e fazer sexo na tela, o filme é uma completa sátira de si mesmo, de Ryan Reynolds e dos outros longas de herói.

Pontos positivos: trilha sonora, Ryan Reynolds, fidelidade aos quadrinhos, a zoeira sem limites.

A Fox já anunciou a continuação de Deadpool, que ainda não tem data de estreia, e confirmou a presença do mutante Cable. Você gostou do filme? Conta pra gente a sua opinião!