O Regresso

Hoje (05) trago a vocês a crítica de O Regresso, o novo longa estrelado por Leonardo DiCaprio. Essa crítica NÃO CONTÉM SPOILERS!

Siga nossas redes sociais:

Mas afinal, o filme é bom?

Um dos filmes mais comentados do Oscar desse ano, O Regresso, do premiado diretor Alejandro Iñárritu e o talentoso Leonardo DiCaprio, narra a jornada de Hugh Glass, explorador e guia de sua expedição que é atacado pro um urso pardo e deixado para morrer por seus companheiros.

Iñárritu pegou o gênero do Velho Oeste (homem branco x índio) e através do drama e sofrimento do protagonista, quis fazer um filme artístico. Com uma das mais belas fotografias de todos os tempos, o diretor encanta o espectador durante a jornada de luta pela vida.

O longa me fez lembrar de Mad Max: Estrada da Fúria, pois, também com poucas falas no roteiro, conseguiu transmitir a mensagem e sentimentos de seus personagens. O ritmo é lento e chega a cansar, mas, as mais de duas horas sentados na cadeira te prendem em meio a paisagem fria e aos gritos de dor de DiCaprio.

O elenco de apoio é excelente, tendo nomes como Domhnall Gleeson, de Star Wars: O Despertar da Força, e Will Poulter de Maze Runner: Correr ou Morrer, sem contar Tom Hardi que dispensa comentários.

O Regresso não é um filme que todos vão gostar e se identificar, por conta do ritmo que a história é contada e de todas as cenas fortes de sofrimento, mas é um acima de tudo, é um filme que vale a pena ser assistido por conta das atuações, dos cenários naturais incríveis e também por prestigiar e respeitar um trabalho de nove meses que entrega um resultado tão belo.

E o DiCaprio, merece o Oscar mesmo? É inegável o talento do ator da mesma forma como é incoerente o fato dele nunca ter colocado a mão numa estatueta, ainda mais depois de filmes como O Lobo de Wall Street. Em O Regresso, o ator entra em campo para ganhar. Seu esforço, atuação, expressões e sacrifícios, são impressionantes. Acredito que ele seja um forte candidato, agora só nos resta esperar para ver qual a opinião da academia.